Jump to content
Siscomex - Comércio Exterior

All Activity

This stream auto-updates     

  1. Past hour
  2. São Paulo — É do elegante Theater am Potsdamer Platz, em Berlim, que o júri da 70ª edição do Berlinale, o Festival de Cinema de Berlim, vai eleger o filme merecedor do Urso de Ouro no dia 29 de fevereiro, próximo sábado. Enquanto isso, o festival, um dos mais importantes do mundo, dá a largada nesta quinta-feira, 20, com programação até 1º de março. O festival tem neste ano o ator Jeremy Irons como presidente do júri – que ainda inclui o cineasta brasileiro Kleber Mendonça Filho (“Bacurau”, “Aquarius”), a atriz Bérénice Bejo (“O Artista”) e o diretor e roteirista americano vencedor do Oscar Kenneth Lonergan (“Manchester À Beira-Mar”), entre outros. O Berlinale costuma ser generoso com o cinema brasileiro. O País já levou o Urso de Ouro para casa duas vezes: por “Central do Brasil”, em 1998, e por “Tropa de Elite”, em 2007. Além disso, três brasileiras já receberam o prêmio de Melhor Atriz: Fernanda Montenegro, Marcélia Cartaxo e Ana Beatriz Nogueira. Em anos recentes, “Joaquim “e “Marighella” fizeram sucesso no festival. Em 2020, quem tem chance de repetir o feito é “Todos os Mortos”, da dupla brasileira Caetano Gotardo e Marco Dutra. Veja tambémVIDA E ARTEOs 10 melhores filmes de todos os tempos, segundo os críticos3 nov 2017 - 09h11 A história é centrada na história de uma mulher negra e suas duas filhas, no Brasil imediato pós-Proclamação da República e fim da escravidão. A atriz Mawusi Tulani, que fundou a companhia de teatro Os Crespos, atua como a protagonista Iná. Na competição ao lado de “Todos os Mortos”, há nomes fortes, como “The Woman Who Ran”, do sul-coreano Hong Sang-soo, “Siberia”, de Abel Ferrara, e “First Cow”, de Kelly Reichardt. Fora da competição, há outros 18 filmes brasileiros em exibição em alguma das dúzias de salas espalhadas por Berlim que comportam o festival, como “Cidade Pássaro”, de Matias Mariani, e o documentário “Nardjes”, de Karim Aïnouz (premiado recentemente em Cannes por “A Vida Invisível”). A edição 70 do festival espera atrair os números de sempre, impressionantes: cerca de meio milhão de público, com 300.000 tíquetes vendidos para os filmes e eventos. É o primeiro ano sob tutela de um novo diretor, o italiano Carlo Chatrian, que antes cuidava do Festival de Locarno. A promessa esse ano é conciliar política e cinema autoral, ou seja, preocupação estética ao lado da política. O festival já foi acusado de valorizar mais a mensagem que o produto final. Ler artigo completo
  3. A marca de luxo francesa Vilebrequin, fundada em 1971 em St. Tropez e famosa pelas peças prêt-à-porter de moda praia, abre hoje (20) a sua segunda loja em São Paulo, no Shopping Iguatemi, no Piso Faria Lima. O foco da nova loja será moda resort e swimwear masculina e infantil. “Estou muito feliz com esta conquista, o Shopping Iguatemi São Paulo é o shopping de luxo mais importante do Brasil. Nossas raízes são brasileiras: sol, praia, mar e uma energia incrível”, diz Roland Herlory, presidente da Vilebrequin. A loja vê um momento de expansão após percalços no Brasil. Ela saiu em 2016, mas retornou em novembro de 2017 como uma pop-up store no Shopping JK Iguatemi. Depois, mudou em definitivo para o piso térreo do shopping, em março de 2018. Agora, a criação de uma nova loja. Vilebrequin: marca abre novo local em São PauloVilebrequin/Divulgação Vilebrequin: marca abre novo local em São PauloVilebrequin/Divulgação Ler artigo completo
  4. No dia 5 de fevereiro, uma quarta-feira, Maurício Porto deu uma prova de seu fascínio pelos uísques para os convidados de um evento promovido no bar Caledonia Whisky & Co, em São Paulo, pelo grupo Beam Suntory. A companhia fechou o endereço naquela noite para anunciar que um de seus uísques mais conhecidos, o Teacher’s, não será mais engarrafado no Brasil, prática que já soma quarenta anos. A partir de agora ela só vai vender por aqui o destilado 100% importado, indiscutivelmente superior à versão que era despejada no mercado até aqui. Convidado para esmiuçar a novidade ao lado da espeta Paula Limongi, Porto contou que antes de embarcar para uma de suas viagens para a Escócia, a Meca da bebida, ele incluiu na bagagem uma garrafa do Teacher’s abrasileirado. Seu intuito foi compará-lo com a versão original. Porto administra o blog Cão Engarrafado, no qual o protagonista é o uísque, em parceria com o amigo Guilherme Valle. No ar há 5 anos, o site remete à célebre frase de Vinicius de Moraes — “o melhor amigo do homem é o uísque; o uísque é o cachorro engarrafado”. Inaugurado pela dupla em janeiro, o Caledonia Whisky & Co não deixa de ser uma continuidade do blog. “Tanto o site como o bar abordam tudo o que a bebida tangencia”, explica Porto. Degustação do Caledonia Whisky & Co: novidade em São PauloCaledonia Whisky & Co/Divulgação Com decoração clean, o endereço está situado no Baixo Pinheiros — é vizinho de porta do Empório Alto de Pinheiros, o EAP. Comercializa mais de 140 variedades do cobiçado destilado. Uma dose de 25 mililitros de Ballantine’s 12 anos custa R$ 14. Já a mesma quantidade do Macallan Reflexion sai por R$ 700. Para quem quer aprimorar o repertório são recomendadas as réguas de degustação. A que envolve três single malts de regiões distintas da Escócia, por exemplo, custa R$ 81. A carta de drinques é composta por clássicos e dez coquetéis autorais, a exemplo do que junta o uísque Glenlivet Founder’s Reserve, vermute de lichia, vinagre de Jerez e sal de vinho (R$ 35). Para equilibrar o álcool há pedidas como o toast de salmão defumado com mini agrião e manteiga de gengibre (R$ 39) e o sanduíche de pepino com maionese de dill (R$ 24). Em tempo: Caledonia é como o Império Romano chamava o território que hoje corresponde à Escócia. Onde: Rua Vupabussu, 309, Pinheiros, São Paulo, tel. (11) 3031-0840. Ter./sáb. 18h/0h; fecha dom. e seg. Ler artigo completo
  5. Today
  6. São Paulo — Até onde a tragédia de Brumadinho impactou os resultados da Vale? Pouco mais de um ano depois da maior tragédia da mineração brasileira, a empresa divulga nesta quinta-feira, 20, seu resultado referente ao exercício de 2019, ano marcado pelo acontecimento. De acordo com analistas, o lucro líquido da companhia pode recuar cerca de 20% no período, principalmente devido aos desdobramentos do rompimento da barragem de Brumadinho. Após o desastre, algumas operações importantes da Vale foram paralisadas temporariamente em Minas Gerais por ordem da Justiça. Com isso, os preços do minério de ferro tiveram alta de quase 50% no mercado internacional – dada a importância da companhia na oferta global – e a mineradora acabou apresentando receitas positivas, mesmo com menores volumes: a produção da commodity, que representa mais de 80% dos negócios da companhia, recuou 21% em 2019. A retração ocorre num momento em que a companhia deveria estar celebrando recordes, diante da subida (ramp-up) de produção na região de Carajás, no Sistema Norte. Veja tambémNEGÓCIOSBrumadinho, 1 ano depois: os relatos de 10 pessoas afetadas pela tragédia30 jan 2020 - 06h01 No quarto trimestre, espera-se que a Vale reporte 10 bilhões de dólares de receita líquida, ligeira alta de 2% na comparação anual. Já o lucro líquido projetado por analistas é de 3 bilhões de dólares para o último trimestre do ano, sobre 3,7 bilhões de dólares um ano antes. Agentes do mercado aguardam ainda a possibilidade de algum tipo de provisão adicional para o pagamento de acordos relativos à tragédia de Brumadinho, embora a empresa tenha sinalizado, no terceiro trimestre, que grande parte desse cálculo já tenha sido feita. A possibilidade de uma nova provisão referente à descaracterização de barragens também não é descartada por analistas do mercado. O reconhecimento de novas perdas pela mineradora é incerto. O que é provável, segundo EXAME apurou com pessoas ligadas à Vale, é que os impactos do desastre de Brumadinho no caixa da empresa devam continuar ao menos pelos próximos anos. Ler artigo completo
  7. A startup Memed, focada no setor de saúde, acaba de receber um aporte de 20 milhões de reais, liderado pelo fundo DNA Capital e pela Redpoint eventures. O dinheiro será usado para ampliar o negócio e desenvolver estratégias de rentabilização para empresa. “Estamos criando um ecossistema com milhares de médicos e visualizamos várias oportunidades de negócio para girar ao redor disso”, afirma o fundador Ricardo Moraes. Fundada em 2012, a Memed criou uma plataforma para geração de receitas médicas online. Hoje já tem mais de 80 mil médicos cadastrados, além de 80 parceiros institucionais, como planos de saúde e hospitais. A ideia do negócio é facilitar a vida do médico na hora de receitar um medicamento, e a do paciente na hora de comprar o remédio receitado. Veja tambémPMEEmpresas não deveriam focar só em ser unicórnio, diz CEO da Samba Tech11 fev 2020 - 07h02 Há seis meses, a Memed começou a atuar junto a algumas farmácias para garantir a digitalização do processo de ponta a ponta. Nas unidades já cadastradas, o paciente apresenta a receita médica eletrônica e leva seu medicamento sem precisar deixar a receita de papel no estabelecimento. O uso da plataforma é gratuito tanto para médicos quanto para farmácias e hospitais. Com o aporte de 20 milhões de reais, o foco da startup será desenvolver projetos para se rentabilizar, além de continuar expandindo. Uma das ideias já em teste é a divulgação de estudos da indústria farmacêutica. Outra frente é oferecer meios para melhorar o atendimento prestado por farmacêuticos nas farmácias clientes da Memed. Segundo Moraes, com o foco na rentabilização, a startup tem condições de chegar ao ponto de equilíbrio ainda em 2020. No total, a Memed já recebeu pouco mais de 30 milhões de reais em investimentos desde sua fundação. A Redpoint eventures foi a primeira investidora e continua investindo no negócio. A DNA Capital, focada em negócios de saúde, está aportando pela primeira vez na startup. “Para nós é uma oportunidade única de ter acesso a capital e a expertise no setor de saúde”, diz Moraes. Ler artigo completo
  8. São Paulo – O Glassdoor, site de recrutamento e avaliação de empresas, divulgou nesta quinta-feira (20) seu ranking das melhores empresas para estagiar no Brasil, segundo a avaliação dos próprios estagiários. A SAP e a Braskem ficaram empatadas com a melhor nota, de 4,7. A lista leva em conta a nota geral da empresa postada no site entre os dias 1 de janeiro de 2019 e 31 de dezembro de 2019. As notas vão de 1 a 5, sendo 1 muito insatisfeito e 5 muito satisfeito. No terceiro lugar, aparece o Tribunal de Justiça do Estado do Paraná, seguido do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da Braskem. Entre os 25 colocados no ranking, 9 são órgãos ou empresas públicas. Segundo Luciana Caletti, vice-presidente do Glassdoor para a América Latina, é um resultado interessante, especialmente pela forma de contratação nessas instituições ser principalmente o concurso público. “Ou seja, os estagiários apreciam tais lugares não porque esperam ser contratados ao final do programa, mas sim por fatores como as oportunidades de aprendizado e o ambiente de trabalho. Um grande número de avaliações nesses lugares mencionam colegas prestativos que gostam de compartilhar conhecimento. Outras vantagens incluem boa estrutura, ambiente saudável e bom salário”, comenta a vice-presidente. Veja tambémCARREIRA10 frases do homem mais rico do mundo para ajudar na sua carreira18 fev 2020 - 19h02CARREIRAQuer viver bem? Estas são as 10 empresas para mandar seu currículo24 out 2019 - 07h10 Confira o ranking dos lugar favoritos para estagiar, segundo o Glassdoor: Empresa Nota 1 SAP 4,7 2 B3 4,7 3 Tribunal de Justiça do Estado do Paraná 4,6 4 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social 4,6 5 Braskem 4,5 6 SulAmérica 4,5 7 Johnson & Johnson 4,5 8 Ministério Público Federal 4,5 9 Embrapa 4,5 10 Bayer 4,5 11 SABESP 4,4 12 ArcelorMittal 4,4 13 Caixa Econômica Federal 4,4 14 Defensoria Pública da União 4,4 15 IBM 4,3 16 Nestlé 4,3 17 Vale 4,3 18 GE 4,3 19 Banrisul 4,3 20 Defensoria Pública do Estado de São Paulo 4,3 21 Tribunal de Justiça de Minas Gerais 4,3 22 Gerdau 4,3 23 Itaú Unibanco (Itaú BBA e Rede) 4,3 24 Votorantim Cimentos 4,3 25 Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo 4,3 Ler artigo completo
  9. O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, autorizou nesta quarta-feira, 19, o envio da Força Nacional de Segurança Pública para o Estado do Ceará, que virou palco de paralisação de policiais estaduais. A decisão do ministro atende ao pedido feito pelo governador Camilo Santana (PT) ao governo federal. A decisão foi tomada após o senador licenciado Cid Gomes (PDT-CE) ter sido baleado em um protesto de policiais que pedem aumento salarial, ao tentar furar o bloqueio de policiais militares em Sobral. Moro determinou que a primeira equipe da Força Nacional de Segurança Pública chegue Estado na manhã desta quinta-feira. 20, a partir das 14h, e que a Polícia Rodoviária Federal desembarque na região em até 48 horas. “Recomendo que sejam tomadas as necessárias providências para que o movimento paralisação seja encerrado o mais brevemente possível”, escreveu o ministro. Veja tambémBRASILCid Gomes é baleado após avançar sobre PM do Ceará com retroescavadeira19 fev 2020 - 18h02 Pedido de apoio O governador do Ceará, Camilo Santana, solicitou ao governo Jair Bolsonaro o apoio de tropas para reforçar a segurança no Estado, após quatro batalhões da Polícia Militar serem atacados. Os ataques foram feitos por pessoas encapuzadas, mas há suspeita de que os responsáveis sejam policiais. Segundo Santana, as ações foram feitas por homens mascarados que seriam “alguns policiais” e “mulheres que se apresentam como esposas de militares. O secretário de Segurança Pública do Ceará André Costa, informou que três policiais militares foram presos em flagrante por estarem furando pneus de viaturas em Fortaleza, enquanto um oficial foi conduzido à delegacia em Juazeiro do Norte por estar com um capuz no bolso e armado. Outros 261 policiais estão sendo investigados por suspeita de participação nas ações. Na Assembleia Legislativa, uma CPI foi protocolada para avaliar supostas irregularidades cometidas pelas associações que representam os agentes da segurança pública do Ceará e que ocasionaram essas paralisações. De acordo com o Ministério Público, 12 entidades serão investigadas. Nos últimos seis anos, elas receberam R$ 126,7 milhões de reais, mas apenas R$ 65 milhões foram movimentados. Ler artigo completo
  10. O grupo varejista GPA, dono das bandeiras Pão de Açúcar, Extra e Assaí, divulgou nesta quarta-feira que teve lucro líquido consolidado de 98 milhões de reais no quarto trimestre, queda de 71,4% ante mesma etapa de 2018. O número veio abaixo da previsão média de analistas consultados pela Refinitiv, de 327,6 milhões de reais. Já a performance operacional do grupo medida pelo lucro antes de impostos, juros, amortização e depreciação (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado, somou 1,06 bilhão de reais entre outubro e dezembro, queda de 15,9% ano a ano, mas praticamente em linha com a previsão média de analistas, de 1,03 bilhão de reais. Veja tambémNEGÓCIOSGPA informa admissão no Novo Mercado da B315 fev 2020 - 12h02 A receita líquida do GPA, que concluiu em dezembro a compra do colombiano Grupo Éxito, cresceu 23,6% no trimestre, sobre um ano antes, a 17,3 bilhões de reais. Na outra ponta, as despesas com vendas, gerais e administrativas avançaram 18,5%, para 2,43 bilhões de reais. A companhia afirmou no relatório de resultados que planeja continuar a acelerar expansão orgânica da rede Assaí, do chamado atacarejo, com a abertura de aproximadamente 60 novas lojas da marca nos próximos três anos, e estuda a conversão de cerca de 20 lojas Extra Hiper para Assaí. O GPA também definiu meta de atingir faturamento bruto de 50 bilhões de reais para essa linha de negócios em 2022. Em 2019, a receita bruta foi de 30,3 bilhões. O GPA também planeja abrir, reformar ou converter de 20 a 24 lojas na Colômbia, 4 a 6 no Uruguai e 2 a 3 na Argentina, tudo em 2020. Ler artigo completo
  11. O conglomerado Ultrapar faz uma baixa contábil de 593 milhões de reais referente ao valor recuperável de ativos de seu negócio de drogarias, a Extrafarma, o que pesou no resultado do grupo no quarto trimestre, com prejuízo de 268 milhões de reais. Excluindo efeitos não recorrentes, a Ultrapar teve lucro ajustado de 133 milhões de reais entre outubro e dezembro. A baixa contábil refere-se a um ajuste no ágio da aquisição, explicou a companhia do relatório de resultados. A Ultrapar explicou ainda que deixou a estratégia de expansão acelerada da Extrafarma em diversas regiões para uma consolidação em locais de maior rentabilidade. O resultado operacional do grupo, medido pelo Ebitda ajustado –que desconsidera efeitos de baixas contábeis– foi de 969 milhões de reais, alta de 20% sobre um ano antes. Analistas, em média, esperavam Ebitda de 925 milhões de reais para a Ultrapar no quarto trimestre, segundo dados da Refinitiv. Em termos líquidos, porém, o Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização) mostrou queda de 70%, para 267,7 milhões de reais. A receita líquida da Ultrapar no trimestre somou 23,66 bilhões de reais, aumento de apenas 1% sobre um ano antes, refletindo o desempenho de seu principal braço de negócios, a rede de postos de combustíveis Ipiranga. A Ultrapar fechou 2019 com dívida líquida de 8,7 bilhões de reais, o equivalente a 2,87 vezes o Ebitda ajustado, ante 8,6 bilhões em 30 de setembro, ou 2,72 vezes o Ebitda ajustado. Ler artigo completo
  12. A Pet Center, dona da rede de produtos para animais de estimação Petz, protocolou nesta quarta-feira pedido de registro para oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês). A operação, que envolve ofertas primária e secundária de ações, será coordenada por Itaú BBA, Bank of America Merrill Lynch, JPMorgan e BTG Pactual, segundo o prospecto preliminar da operação. A gestora norte-americana de fundos de private equity Warburg Pincus, com 55% do negócio, e o fundador da Petz, Sergio Zimerman, com outros 45%, serão os vendedores na oferta secundária de ações da companhia. A empresa afirmou que usará recursos da oferta primária –ações novas, cujos recursos vão para o caixa da companhia — para abertura de lojas e hospitais e tecnologia digital. O grupo fundado em 2002 e que se apresenta como a plataforma de soluções para animais de estimação mais abrangente do país, com 105 lojas em 12 Estados, teve receita líquida de 986 milhões de reais em 2019, um aumento de 28,4% sobre o ano anterior. O Ebitda deu um salto de 130% no ano passado, para 191,1 milhões de reais, mas o lucro líquido caiu 24%, para 23,6 milhões de reais. No documento, a empresa afirma que o Brasil é o quarto mercado do mundo de produto para pets, movimentando cerca de 23,5 bilhões de reais por ano. Ler artigo completo
  13. Yesterday
  14. São Paulo — A Caixa Econômica Federal sorteou, nesta quarta-feira (19), o concurso 2.235 da Mega-Sena. Nenhum apostador acertou as seis dezenas e o prêmio acumulou. Os números sorteados foram: 14 18 30 35 55 57. Mesmo sem um ganhador do prêmio principal, 133 apostas acertaram a quina e vão receber R$ 69.161,57 cada. Já na quadra, 11895 pessoas acertaram os números e levam R$ 1.104,72 cada uma. O prêmio era estimado pela Caixa em R$ 170 milhões, e o sorteio foi realizado no Espaço Loterias Caixa, no Terminal Rodoviário do Tietê, em São Paulo. O sorteio do próximo concurso (2.236) acontece no sábado (22) e tem como estimativa pagar R$ 190 milhões a quem acertar os seis números. As apostas podem ser feitas até às 19h (horário de Brasília) do dia do sorteio, em qualquer casa lotérica credenciada pela Caixa em todo o país, pela internet e também pelo aplicativo Loterias Caixa, para iPhone. A aposta simples, com seis dezenas, custa R$ 4,50. Ler artigo completo
  15. A maior rede de farmácias do país, RD, divulgou nesta quinta-feira lucro líquido do quarto trimestre dentro do esperado pelo mercado, mostrando crescimento cerca de 18% sobre o resultado dos últimos três meses de 2018. A companhia teve lucro líquido de 143,27 milhões de reais no quarto trimestre ante expectativa média de analistas compilada pela Refinitiv de 141,6 milhões. A empresa apurou geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado de 350,43 milhões de reais, avanço sobre os 311,1 milhões de um ano antes. O desempenho, porém, ficou abaixo dos 413,5 milhões esperados, em média, pelo mercado, segundo a Refinitiv. A RD afirmou que as despesas com vendas representaram 18,3% da receita bruta, abaixo dos 18,8% de um ano antes, mas acima dos 17,9% do período de julho a setembro do ano passado. As vendas mesmas lojas subiram 9,2% no quarto trimestre. A companhia terminou 2019 com 2.073 lojas após 1.825 ao final de 2018. Ler artigo completo
  16. A cidade do Rio de Janeiro registrou hoje (19) sensação térmica de 49,7 graus Celsius (°C), de acordo com o Sistema Alerta Rio da Prefeitura do Rio de Janeiro. A medição foi feita às 16h, na Estação Santa Cruz, na Zona Oeste da cidade. A menor sensação términa do dia foi registrada foi na Estação Alto da Boa Vista, na Zona Norte, que registrou 38,1°C às 13h15. No Jardim Botânico, na Zona Sul, a sensação térmica às 14h15 chegou a 47,6°C. A sensação térmica é uma estimativa da percepção do calor ou frio pelo corpo humano. Leva em consideração, por exemplo, o vento e a umidade. A temperatura máxima registrada foi 39,7°C e a mínima, 24,6°C, ambas em Guaratiba, Zona Oeste. A previsão é que hoje o céu permaneça claro a parcialmente nublado e não há previsão de chuva. Os ventos seguem de fracos a moderados. A previsão para amanhã (20) é também de calor, com máxima de 40°C e mínima de 23°C. O céu deve permanecer claro a parcialmente nublado e não há previsão de chuva. Confira as sensações térmicas registradas nesta quarta-feira: Estação Jardim Botânico – 47,6°C às 14h15 Estação Barra/Riocentro – 45,5°C às 12h30 Estação Guaratiba – Indisponível Estação Santa Cruz – 49,7ºC às 16h Estação Alto da Boa Vista – 38,1°C às 13h15 Estação São Cristóvão – 40,6°C às 15h Ler artigo completo
  17. José Mojica Marins, o Zé do Caixão, morreu nesta quarta-feira, 19, aos 83 anos. O artista teve complicação devido a uma broncopneumonia, informação foi confirmada pela filha Liz Marins. Detalhes sobre velório e enterro ainda não estão confirmadas Marins nasceu em São Paulo, em 13 de março de 1936. Os pais, de origem espanhola, eram artistas de circo. Sempre adorou gibis e filmes. O pai chegou a ser gerente de cinema, o que permitiu ao garoto desenvolver o imaginário no escurinho do cinema. Aos 12 anos, ganhou um câmera. Nunca mais parou de filmar. Alguns de seus filmes artesanais chegaram a ser exibidos para plateias pagantes, o que cobria os gastos de “produção”. Aos 17 anos, fundou a Companhia Cinematográfica Atlas. Recrutando atores que testava com insetos e outros bichos, descobriu que sua vocação estava no terror escatológico. Aventura, faroeste, drama. José Mojica Marins fez de tudo, ao longo de sua carreira como ator e diretor. Mas foi o terror que lhe deu fama. É um daqueles casos em que o personagem sobrepujou o autor. Zé do Caixão no Brasil, Coffin Joe nos EUA. Quem não conhece a sinistra figura de unhas longas e encurvadas? Mesmo quando seus filmes deixaram de fazer sucesso – o último, o mais bem produzido de sua carreira, ficou abaixo da expectativa -, a aura permaneceu intacta. As pessoas ainda o paravam na rua, queriam tirar fotos, pediam autógrafos. Em 1958, lançou seu western caboclo, A Sina do Aventureiro. Seis anos mais tarde, surgiu Meu Destino em Tuas Mãos, que segue as aventuras de cinco crianças que caem, na estrada, fugindo dos pais. O líder do grupo canta, e o filme segue a vertente aberta pelo chamado rouxinol de ouro, o ator mirim espanhol Joselito, que cantava como ninguém. Em 1963, finalmente, foi a vez de À Meia-Noite Levarei Sua Alma. Repetidas vezes Marins contou a história da gênese de Zé do Caixão. O personagem foi criado por ele em 11 de outubro de 1963. Marins sonhara, terrível pesadelo, com um vulto que o arrastava para o vulto. Procurando reproduzir sua aflição, ele criou Zé do Caixão e lhe deu esse nome baseado, segundo dizia, na lenda de um ser que viveu há milhões de anos na Terra e que se transformou em luz, voltando, como luz, muito tempo depois, ao planeta de origem. O detalhe curioso é que Marins não ficou satisfeito com a própria voz. Ele intuía que Zé do Caixão precisava de um timbre especial. Assim como tem data de nascimento, o personagem teve um dublador – Laércio Laurelli, que dublava um ator italiano então popular, Mario Carotenuto. A crítica caiu matando, e assim prosseguiu nos filmes seguintes. O público encampou Zé do Caixão. O reconhecimento começou no exterior, mesmo que Glauber Rocha, um ícone do cinema do País, tenha sido pioneiro ao reconhecer que alguma coisa havia naquele Zé do Caixão. Josefel Zanatas é o verdadeiro nome do personagem. Amoral e niilista, ele exerce a função de agente funerário. É um descrente obsessivo que não crê em Deus nem no Diabo, mas se considera superior aos outros e busca a mulher perfeita para conceber o filho perfeito. Essa perfeição nunca é física – é um conceito mental. Para a visualização de Zanatas/Zé do Caixão, Marins inspirou-se em Max Schenk, protagonista de Nosferatu, de F. W. Murnau, de 1922. O personagem seguiu aparecendo em Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver, O Estranho Mundo de Zé do Caixão, Trilogia do Terror e O Despertar da Besta. Em 2008, e com ajuda de amigos, concluiu a trilogia iniciada com À Meia-Noite Levarei Sua Alma e que teve prosseguimento com Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver. A Encarnação do Demônio teve orçamento de R$ 1 milhão, o mais elevado de um filme de Zé do Caixão, que teve direito a figurinos chiques, criados pelo estilista Alexandre Herchcovitch. Marins foi convidado para o Festival de Veneza e apresentou seu filme – claro – à meia-noite. Apesar da fama, ele nunca ganhou muito dinheiro com o terror. Virou figura folclórica, enveredou por diversos gêneros (até pornô). Apresentou o Cine Trash na TV Bandeirantes, comandou O Estranho Mundo de Zé do Caixão no Canal Brasil. Muitos estudiosos avaliam que José Mojica Marins não foi apenas um nome visceral do cinema brasileiro mais popular. Por seus métodos de produção e pelas ligações na Boca do Lixo, ele também teria sido decisivo para a eclosão do cinema marginal. Ler artigo completo
  18. São Paulo — O senador licenciado Cid Gomes (PDT), de 56 anos, foi atingido por um disparo na cidade de Sobral, no interior do Ceará, na tarde desta quarta-feira, 19. Um vídeo mostra o momento em que Gomes, dirigindo um trator, avança sobre um portão de um quartel da Polícia Militar; do outro lado estavam pessoas mascaradas, de onde vem o disparo. Não há confirmação se o tiro é de borracha ou de munição real. Ele foi socorrido para um hospital da cidade e passa por atendimento médico. O estado de saúde dele não foi divulgado. O governador do Ceará, Camilo Santana (PT) anunciou nesta quarta ter solicitado ao governo Jair Bolsonaro o apoio de tropas para reforçar a segurança no Estado, após quatro batalhões da Polícia Militar serem atacados. Os ataques foram feitos por pessoas encapuzadas, mas há suspeita de que os responsáveis sejam policiais. Senador Cid Gomes é baleado em Sobral, Ceará. pic.twitter.com/4mDucjiY8Y — Gene Lima (@Genenholima) February 19, 2020 Ler artigo completo
  19. A China ditou o ritmo dos mercados globais mais uma vez. De acordo com a mídia local, mais de 80% das estatais chinesas retomaram a produção, após a paralisação que se estendia desde janeiro em função do feriado de Ano Novo Lunar e do risco de contaminação por coronavírus. A notícia foi suficiente para impulsionar as bolsas do mundo inteiro. Na B3, o Ibovespa subiu 1,34% e fechou em 116.517,59 pontos. Ler artigo completo
  20. São Paulo — A tensão entre o governo Bolsonaro e o Congresso atingiu um novo patamar nesta quarta-feira (18). No centro da disputa está a emenda do Orçamento impositivo, que obriga o governo federal a empenhar emendas parlamentares individuais e de bancadas. A pauta foi aprovada pelo Legislativo no ao passado, mas foi vetada pelo presidente. Agora, o Congresso pode derrubar o veto, mas o governo entrou em jogo para tentar achar um meio-termo com a articulação do ministro da Economia, Paulo Guedes, e de Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo. Em uma reunião entre os líderes transmitida ao vivo na noite de ontem, porém, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, General Augusto Heleno, subiu o tom. Captado ao vivo, disse que o governo não pode mais aceitar “esses caras chantagearem a gente o tempo todo. Foda-se”. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, reagiu publicamente à fala do ministro na manhã de hoje, dizendo que sua postura é “triste” e que ele se comporta como um adolescente ao agredir o Parlamento. E acrescentou: “Se o Parlamento quisesse apenas deixar as pautas correrem soltas, o governo não ganhava nada aqui dentro. Tudo é feito por responsabilidade com o Brasil”. Mais tarde, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre afirmou que “nenhum ataque à democracia será tolerado pelo Parlamento”. A sessão de votação do veto ficou marcada para depois do feriado do carnaval. Para o veto cair é necessária o apoio de maioria absoluta do Congresso, ou seja, 257 deputados e 41 senadores. Poder sobre o orçamento O orçamento impositivo entrou num trecho da Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2020 para equiparar as emendas feitas por relatores às individuais e de bancada, que são obrigatórias e têm prazo para serem empenhadas. Isso dá ao Congresso poder de controle sobre R$ 30 bilhões no orçamento de 2020. O valor equivale a cerca de um ano do programa Bolsa Família. Em 2015, o Congresso já havia aprovado uma emenda na constituição tornando obrigatória a vinculação de receitas para gastos com emendas parlamentares individuais no percentual de até 1,2% da receita corrente líquida prevista no Projeto de Lei Orçamentária. “O Orçamento impositivo, em tese, tem um lado bom que é o de aumentar o poder do Congresso de alocação de recursos. Dá mais força para o processo orçamentário e, no fundo, é o ápice da democracia quando os próprios parlamentares decidem o que fazer com os recursos que foram arrecadados da sociedade”, diz Felipe Salto, diretor-executivo da Instituição Fiscal Independente (IFI). Esse cenário, no entanto, é novo para o Brasil, onde historicamente o Executivo detém controle do Orçamento e depois distribui emendas para formar base política. Outra questão é o alto nível de rigidez fiscal no país: 94% do orçamento é de despesas obrigatórias por lei, como aposentadorias, e sobram apenas 6% para serem manejados. Para termos uma ideia do que isso significa, o Orçamento aprovado tem valor total de R$ 3,6 trilhões, mas só R$ 126,1 bilhões para serem usados pelo governo federal com despesas discricionárias. Sem os R$ 30 bilhões, esse número cai para R$ 96 bilhões. Nem todo esse dinheiro, no entanto, pode ser usado livremente – ele inclui o mínimo constitucional para ser investido em Saúde, por exemplo. Nas contas do IFI, a quantia ficaria em R$ 22 bilhões neste ano. “Isso sem mencionar as emendas individuais e as de bancada, que adicionam R$ 5,9 bi e R$ 9,4 bi na conta”, diz. Na prática, a briga é por uma parcela pequena, mas crucial, e a consequência mais incômoda para o governo federal seria a perda desta margem para contingenciar despesas: “O que sobra desse conta vai precisar ir para o custeio da máquina pública”, diz Salto. Se o veto de Bolsonaro for derrubado integralmente pelos parlamentares, segundo Salto, o governo terá um problema importante neste ano do ponto de vista do risco de cumprimento da meta fiscal. Em 2020, a meta fiscal para o resultado primário do governo central é de déficit de R$ 124,1 bilhões. As contas públicas estão no vermelho desde 2014. Veja tambémECONOMIAGoverno precisará bloquear até R$ 37 bi de orçamento, diz órgão do Senado17 fev 2020 - 17h02 O jogo mudou A briga do Orçamento impositivo também faz parte do reequilíbrio de forças entre Executivo e Congresso, que vem buscando protagonismo na condução de reformas sob liderança de Maia. A decisão do governo Bolsonaro de não construir uma base parlamentar estável também quebrou com o padrão anterior em que votos eram condicionados ao acesso a recursos como cargos e verbas. Para Christopher Garman, diretor da Eurasia para as Américas, apesar de ainda haver parlamentares que sobrevivem assim com suas bases eleitorais, essa relação foi quebrada nas últimas eleições: “Não só porque parlamentares que tinham recursos não tiveram êxito nas urnas, mas também porque tivemos um presidente que não estava fazendo esse jogo, pelo menos não na mesma magnitude”, disse nesta semana em evento da Câmara Americana de Comércio para o Brasil (Amcham-Brasil). “O jogo agora é abocanhar controle discricionário do orçamento e também transferir para estados e municípios”, completa. O lado positivo é que isso aumenta o interesse do Congresso pelas reformas: “Quando Guedes enviou as três PECs do pacto federativo – a emenda emergencial 186, o pacto federativo 188 e o PEC dos fundos 187, – o objetivo era justamente o de controlar um gasto obrigatório para manter o teto dos gastos em favor dos próprios interesses, então transferir recursos que botam o controle sobre o gasto para o Congresso, na nossa opinião, é muito salutar. Muda a estrutura de incentivos ao seu favor”, diz. Ler artigo completo
  21. São Paulo – Ao mesmo tempo que enfrentam concorrência cada vez maior de fintechs e varejistas, os bancos têm tentado encontrar novas receitas para compensar a redução da tarifa da taxa do cheque especial – que foi limitada em 8% ao mês pelo banco central. “O desenho do cheque especial não era condizente, embutia subsídios cruzados, daí redesenhamos o produto”, afirma João Manoel Pinho, diretor de organização do sistema financeiro e de resolução do BC. “Mas possibilitamos que os bancos cobrassem tarifas, mas muitos já anunciaram que não vão fazê-lo. Em todo o mundo, os bancos centrais racionalizam imposição para produtos emergenciais. Nós vamos continuar avaliando os impactos da medida”, afirmou durante evento do BTG Pactual (controlador de Exame), na quarta-feira (19). Segundo Pinho, o “bolo vai aumentar para todo mundo”, incluindo fintechs e bancos, com o lançamento do Pix, arranjo de pagamento instantâneo que permitirá que transações sejam realizadas em, no máximo, 10 segundos e, em média, em dois. “Se antes a pessoa precisava esperar dois dias até que o dinheiro caísse e a concessionária religasse a luz que foi cortada por falta de pagamento, agora, será possível diminuir esse tempo”, disse. O papel do BC, nesse sentido, é impulsionar a inovação e a entrada de novos participantes. Ler artigo completo
  22. O dólar voltou a subir e renovou a máxima histórica de fechamento ante o real nesta quarta-feira, em dia de dólar nos picos em vários anos no exterior após dados mais fortes sobre a economia dos Estados Unidos. O mercado de câmbio local também seguiu influenciado pela percepção de que o Banco Central parece menos disposto a atuar no câmbio mesmo com o dólar em consecutivas máximas recordes e já mirando 4,40 reais. O dólar à vista fechou em alta de 0,18%, a 4,3657 reais na venda, acima do até então recorde de 4,358 reais do encerramento da véspera. Na B3, o dólar futuro tinha ganho de 0,20%, a 4,3660 reais. O dólar turismo chegou a custar R$ 4,83 nesta quarta para quem comprasse no cartão pré-pago. Já nas compras em dinheiro, o valor da moeda era de R$ 4,60 em algumas casas de câmbio. Ler artigo completo
  23. São Paulo – Decepcionado com a recuperação da economia brasileira? Luiz Parreiras, gestor da Verde Asset, recomenda que você pare de monitorar a perspectiva para o PIB, que continua fraca, e passe a olhar para outro indicador: a demanda privada doméstica, que cresce acima de 4% nos últimos trimestres. “Muitos podem pensar que o ciclo de recuperação está no final do primeiro tempo. Mas acreditamos que ele esteja apenas nos primeiros cinco minutos”, disse, em evento organizado pela XP Investimentos que premiou os resultados dos melhores fundos nos últimos três anos. Já em relação a ativos no exterior, o gestor afirma não estar nem otimista, nem pessimista. “Não vejo razão pela qual os ativos podem continuar rendendo por mais 10 anos. O problema é que a maioria dos ativos já estão caros. O ano de 2019 foi um ano maravilhoso para a bolsa americana, mas muitos esquecem que o S&P teve o pior dezembro em 2018, quando caiu 15% em apenas um mês” Parreiras trabalha há 18 anos com Luís Stuhlberger. Há dois anos, é o gestor de um fundo que segue a estratégia do renomado Verde, o multimercado Scena. Basicamente o fundo acompanha 80% dos ativos mais líquidos que compõem a carteira do Verde. Veja tambémMERCADOS“Existe uma bolha na bolsa brasileira”, diz Stuhlberger, gestor da Verde29 jan 2020 - 10h01 Distribuído exclusivamente pela XP, o fundo ficou dois anos aberto na plataforma até que fechou para captação no ano passado. Desde abril de 2017, quando foi criado, o fundo rendeu 32,32%, enquanto o CDI no período subiu 24,21%. “Nos últimos três anos vimos um cenário que não se deve repetir pelos próximos três ou até 10 anos: ganhamos dinheiro com praticamente toda classe de ativos. A exceção foram moedas no exterior”, explicou. O Scena aplica em diversas classes de ativos, como ações, juros e também no exterior. Apesar de todos os gestores da casa, inclusive Stuhlberger, discutirem todos os processos de investimento, ele aponta que no final do dia a decisão é tomada conforme o gestor de cada fundo. “Sou eu que respondo”. Entre as apostas do gestor para o ano que se inicia estão ações brasileiras. “Temos uma posição relevante na carteira da asset, apesar de ela já ter sido maior nos últimos cinco anos”. Parreiras classifica os recordes batidos pelo índice Ibovespa no final do ano passado como uma “euforia”. “Tínhamos na carteira cases que foram bons em 2018 e 2019, mas víamos que não precisávamos vender nem colocar mais capital. Então ficamos de novembro até este mês sem aumentar posição, e até reduzimos”. O fundo também está alocado em juros reais, por meio de NTNBs longas. “No Brasil ações e renda fixa começam a ter uma correlação negativa e servem de hedge uma para a outra”. Ler artigo completo
  24. São Paulo – Desde que começou a oferecer contas digitais, em 2014, o Banco Inter cresce rápido e saltou para 4 milhões de correntistas, no final de 2019. Na visão do presidente do Inter, João Vitor Menin, há espaço para que esse número seja mais de cinco vezes maior, tendo em vista tanto o tamanho continental ainda por conquistar do mercado brasileiro quanto o potencial de avanço sobre a concorrência, hoje ainda muito concentrada nos grandes bancos tradicionais. “Há espaço para crescer; podemos um dia ser uma plataforma de 20 ou 30 milhões de pessoas”, disse Menin, que falou na tarde desta quarta-feira (19) durante evento do banco BTG Pactual, em São Paulo. “Estamos em um país de proporções continentais, com 210 milhões de pessoas, e em um mercado com concorrentes que têm uma proposta de valor para os clientes que não é das melhores. Quando se soma isso a essa população enorme e crescente, vemos um mercado muito grande para ocupar”, disse. Um dos primeiros bancos inteiramente digitais do país, o Inter se apoia no trunfo de oferecer contas gratuitas e com processos inteiramente online para concorrer em um mercado dominado por bancos gigantes, no mercado há décadas e com agências espalhadas por todo o país. É também o modelo dos concorrentes digitais que, igualmente, ganham espaço rápido no mercado, como Nubank e C6. “É um mercado muito competitivo, mas é importante ter esses três ou quatro competidores puxando a tendência dos bancos digitais com a gente”, disse Menin. “Longe de nós querer resolver esse mercado sozinhos, não seria possível.” “As perspectivas de crescimento de longo prazo são enormes”, disse André Maciel, sócio do SoftBank, o megafundo de investimentos que adquiriu uma participação no Inter no ano passado. “O Inter é um banco que tem três vezes menos funcionários que os grandes, quer dizer, é muito mais barato, e é uma fintech que já dá resultados. É só uma questão de tempo para engrenar ainda mais.” Ler artigo completo
  25. O Congresso Nacional instalou formalmente a comissão mista da reforma tributária nesta quarta-feira, 19. O colegiado será formado por 25 deputados e 25 senadores. O presidente da comissão, senador Roberto Rocha (PSDB-MA), afirmou que a intenção é concluir um texto conjunto em 45 dias para ser votado na Câmara e no Senado no primeiro semestre do ano. “Se a reforma não for votada neste semestre, não sai neste ano”, disse Rocha. Ele pontuou que os pontos divergentes poderão ser retirados da proposta ou encaminhados via lei complementar. A comissão foi formalizada por um ato conjunto dos presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), nesta quarta-feira. Veja tambémECONOMIANa reforma tributária, será a vez de os empresários pagarem mais, diz Maia18 fev 2020 - 14h02 O grupo deve se reunir para começar a discussão após o feriado de carnaval, conforme antecipou o Broadcast Político, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado. O colegiado não tem papel de votar formalmente a reforma, mas irá buscar um texto comum entre Câmara e Senado. O governo também deve encaminhar sugestões. A proposta terá de ser votada na sequência pela Câmara e pelo Senado. Os deputados serão os primeiros a votar, confirmou Alcolumbre. Para Maia, a simplificação tributária é que aumentará a renda nacional. No anúncio, o presidente da Câmara criticou quem quer a volta da extinta CPMF. Ler artigo completo
  26. São Paulo – A partir de 21 de fevereiro, os passageiros das três linhas e 41 linhas de metrô do Rio de Janeiro poderão pagar a tarifa com cartões de crédito, débito e pré-pago da bandeira Mastercard que possuem a tecnologia de pagamento por aproximação (conhecida pela sigla em inglês NFC). Também poderão usar carteiras digitais embarcadas em celulares e demais dispositivos eletrônicos como meios de pagamento. A iniciativa é fruto de uma parceria da bandeira com o MetrôRio, empresa do grupo Invepar. O intuito é facilitar a vida do passageiro que não precisará mais sacar dinheiro nem enfrentar fila para recarregar o cartão de passagem. Basta aproximar o cartão ou o smartphone em um dos validadores sinalizados e o valor da passagem será debitado diretamente na fatura (para cartões de crédito) ou na conta corrente (para cartões de débito), sem custo adicional ou taxas. “Vamos ver cada mais adesão conforme os bancos passem a emitir cartões com NFC”, diz Fernanda Caraballo, diretora de desenvolvimento de negócios da Mastercard. Veja tambémSEU DINHEIROEm 2020, todos os ônibus de SP aceitarão cartões de débito e crédito11 dez 2019 - 13h12 A primeira iniciativa da bandeira com esse tipo de pagamento em transporte público aconteceu em 2017 na cidade de Jundiaí, interior de São Paulo. No ano seguinte, foi a vez de os trens do Rio de Janeiro, da SuperVia, oferecer essa facilidade para os passageiros. No momento, está rodando um piloto com 200 ônibus na capital paulista e, segundo Caraballo, a resposta da população tem sido muito positiva. “O retorno que recebemos é que é simples e conveniente.” Sem falar que é uma ótima estratégia. A ideia é levar a iniciativa para outras cidades brasileiras e para outros locais que são dependentes de dinheiro em espécie. “Estamos olhando com atenção o segmento de pedágio. Os motoristas pagam em dinheiro ou com a tag”, diz a executiva. Ler artigo completo
  27. São Paulo – A WEG voltou a impressionar positivamente os investidores. No balanço do quarto trimestre de 2019, divulgado nesta quarta-feira (19), a empresa de motores elétricos e geradores apresentou lucro líquido de 500,5 milhões de reais. A quantia representa um crescimento de 49% na comparação anual. A expectativa média de analistas consultados pela Reuters era de o lucro ficasse em torno dos 410 milhões de reais. Na véspera, a empresa havia anunciado pagamento de 351,89 milhões de reais em dividendos, correspondente a 0,167 real por ação. No quarto trimestre, o EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ficou em 666,4 milhões de reais – 31% superior ao do mesmo período de 2018. Já o retorno sobre o capital investido (ROIC) cresceu 1 ponto percentual, ficando em 20,2%. O resultado teve impactos diretos nas ações da companhia, que chegaram a subir 8% na máxima desta quarta. Às 15h30, o preço do ativo avançava 7%. Na Bolsa, as ações da Weg acumulam valorização de 37% desde o início de janeiro – a terceira maior alta do ano, apenas atrás dos papéis da Marfrig e Via Varejo. Desde fevereiro do ano passado, a apreciação supera 150%. “A WEG conseguiu superar as expectativas de mercado em todas as suas principais linhas. A empresa segue em linha com sua dinâmica de operação eficiente e de remuneração ao seu investidor”, escreveram em relatório analistas da Guide Investimentos. No período, a receita operacional líquida foi de 3,778 bilhões de reais, 20% acima do registrado no quarto trimestre de 2018. Segunda a companhia, o resultado foi puxado pelos equipamentos eletroeletrônicos industriais de ciclo curto e pelos equipamentos de ciclo longo ligados à área de geração, transmissão e distribuição de energia. No mercado externo, que representa 57% da receita, a maior demanda por produtos de ciclo longo foi influenciada por projetos de óleo e gás e mineração. Já no mercado interno, onde as vendas são mais atreladas a equipamentos para o setor de energia elétrica, o percentual da receita cresceu 30% se comparado ao quarto trimestre de 2018. Ler artigo completo
  28. São Paulo – A Receita Federal divulgou, nesta quarta-feira (19), as regras para declarar o Imposto de Renda 2020. O prazo de entrega deste ano será entre 2 de março e 30 de abril. A Receita Federal irá liberar o download do programa de declaração e entrega amanhã (20). São esperadas 32 milhões de declarações este ano. Frente ao ano passado, o fisco espera que cerca de 1,5 milhão a mais de contribuintes prestem contas ao leão neste ano. As empresas devem entregar o comprovante de rendimentos aos funcionários e clientes até 29 de fevereiro. Assim como nos anos anteriores, será possível preencher e entregar a declaração pelo o programa do IR 2020 no computador, pelo aplicativo “Meu Imposto de Renda” no smartphone ou no tablet e diretamente no site da Receita, apenas para quem tem o Certificado Digital. Quem atrasar a entrega da declaração do Imposto de Renda 2020 terá de pagar multa de 1% sobre o imposto devido ao mês. O valor mínimo é de R$ 165,74 e o máximo é de 20% do imposto devido. Quem é obrigado a declarar Está obrigado a declarar o Imposto de Renda 2020 quem: 1) Recebeu mais de R$ 28.559,70 de renda tributável no ano (salário, aposentadoria ou aluguéis, por exemplo). 2) Ganhou mais de R$ 40 mil isentos, não tributáveis ou tributados na fonte no ano (como indenização trabalhista ou rendimento de poupança). 3) Teve ganho com a venda de bens (casa, por exemplo). 4) Comprou ou vendeu ações na Bolsa. 5) Recebeu mais de R$ 142.798,50 em atividade rural (agricultura, por exemplo) ou tem prejuízo rural a ser compensado no ano-calendário de 2018 ou nos próximos anos. 6) Era dono de bens de mais de R$ 300 mil. 7) Passou a morar no Brasil em qualquer mês de 2019 e ficou aqui até 31 de dezembro. 8) Vendeu um imóvel e comprou outro num prazo de 180 dias, usando a isenção de IR no momento da venda. Desde o ano passado a Receita é a exigência de CPF para todos os dependentes, independente de idade. Ler artigo completo
  1. Load more activity
×
×
  • Create New...