Jump to content
Siscomex - Comércio Exterior

Pablo MENDES

Membros
  • Content Count

    2
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

1 Neutra

About Pablo MENDES

  • Rank
    Recém-chegado

Contact Methods

  • MSN
    pvmendes@hotmail.com
  • Skype
    pablo-mendes

Profile Information

  • Sexo
    Masculino
  • Estado
    Minas Gerais
  • Cidade
    Juiz de Fora
  • Perfil
    Empresa Exportadora
  1. Prezado (a) sr(a) usuário(a) Bom dia Primeiramente, desculpem-me a longa introdução, mas foi para me fazer entender tanto quanto possível. Tenho interesse em constituir uma Offshore (Empresa Exportadora de pessoa jurídica com sede no Uruguai) com o propósito de ser uma Trading Company de venda de produtos brasileiros para o exterior; já que, para mim e meus sócios, é muito alto o custo de se abrir uma Trading Company com sede no Brasil, isto é, mais de 700 mil reais (setecentos mil reais; capital social mínimo de R$ 748.466,66, equivalente a 703.380 Ufir à sua última cotação de R$ 1,0641). Em outras palavras, os objetivos de se constituir uma empresa exportadora naquele país são: I) custos mais baixos de abertura e manutenção II) para se beneficiar de vantagens fiscais e, certamente, legais de uma Trading lá. Li de um escritório de contabilidade do Uruguai que...os produtos (brasileiros) a serem exportados nao precisam ser fisicamente recebidos pela offshore (no Uruguai), mas podem ser embarcados diretamente (do Brasil) para o comprador final (por exemplo,França). A offshore pagará uma fatura para o vendedor (no Brasil) e o comprador final (França) pagará outra fatura maior, contra ele emitida pela offshore (no Uruguai). No entanto, ao vasculhar a legislação brasileira, ainda nao está claro pra mim como isto é possível burocraticamente; ou seja, como se dá o processo burocrático destas emissões, digamos, "indiretas" de fatura. Bem, minha pergunta é: excluindo-se a compreensão da parte da legislação uruguaia do processo, gostaria de saber, no processo burocrático daqui do Brasil, se realmente é possível a Tradings Companies (Offshores) sediada no exterior atuar comprando mercadorias brasileiras, revendendo-as para fora (ex: França) sem que essas passem pelo país sede da Trading (no caso, Uruguai)? Muito obrigado antecipadamente PS: Ao ler a definição da operação conhecida como "BACK-TO-BACK", entendo que esta não seria meu caso, pois, segundo a definição "As chamadas operações de back-to-back são aquelas em que a compra e a venda dos produtos ocorrem sem que esses produtos efetivamente ingressem ou saiam do Brasil. O produto é comprado de um país no exterior e revendido a terceiro país, sem o trânsito da mercadoria em território brasileiro." (fonte: Banco Central do Brasil)...No meu caso os produtos sempre sairão do Brasil, isto é, entendo que transitará pelo território brasileiro. No entanto, recebi uma resposta da FEDUANEIROS dizendo que esta operação seria, sim, uma operação back-to-back para a empresa brasileira produtora da mercadoria. -- Pablo MENDES Juiz de Fora - MG
  2. Bem, refiz o processo e agora deu certo. Obrigado
×
×
  • Create New...