Jump to content
Siscomex - Comércio Exterior

guidoba1950

Membros
  • Content Count

    9
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    7

guidoba1950 last won the day on November 11 2014

guidoba1950 had the most liked content!

Community Reputation

24 Excelente

About guidoba1950

  • Rank
    Iniciante
  • Birthday 07/11/1950

Profile Information

  • Sexo
    Masculino
  • Estado
    Bahia
  • Cidade
    salvador
  • Perfil
    Pessoa física regular
  1. guidoba1950

    TUTORIAL - LIBERACAO DE MERCADORIA VIA DSI NOS CORREIOS.

    Estimado, tenho pleno convencimento que o Sr. esta certo quando puxa a minha atenção sobre o local errado do meu post. Peço desculpa, mas como pode ver, sou iniciante. Agora se esta me dizendo que o Auditor da Receita tem autonomia, porque foi a mesma Receita a conferir essa autonomia para ele, posso considerar como uma explicação de uma situação existente. Mas gostaria acrescentar algumas criticas. Os códigos brasileiros são baseados, assim como todos os códigos dos Países democráticos,católicos e ocidentais, no "Direito Romano" a base fundamental dos princípios legais recita que "Todas as pessoas são inocentes, até prova contraria" Assim acontece que um Juiz tem a obrigação, aplicando as leis, de soltar na rua um traficante pego com 5 quilos de cocaína, porque faltou o perito técnico que apurasse e confirmasse que, aquela, é cocaína, e não gesso ou farinha. Mas não é o caso dos Auditores, porque eles tem autonomia, diria, acho melhor "Poder". O poder de achar e atribuir valores das mercadorias que passam por eles, definidos na base de uma opinião. Ou tem outro parâmetro? Assim o Auditor me convidou a apresentar um pedido documentado pelo Import facil dos Correios. Ou seja eu fui indiciado sem provas (A tua remessa vale mais que 500,00 dollares) e condenado ( estamos emitindo DSI e você vai nos dizer quanto custou a mercadoria para pagar impostos). A não ser que demonstre o contrario Tenho plena convicção que o procedimento esteja errado. O certo, não acha que seria convidar o cidadão a declarar o conteúdo da remessa e seu valor sem esse constrangimento todo? Mas eu cai na armadilha. Se não tivesse resposto, a remessa (29 items) seria devolvida ao remetente depois de 5 dias. Mas, ainda acreditava que bom citadão precisa ser respeitoso aos pedidos da autoridade e acabei me ferrando. Me apressei a demostrar com documentos prováveis que paguei 296,00 dollares e não mais que 500 como o Auditor sustentava. Ou seja, só depois me toquei ! Teria agora que pagar 60% de 296,00US$x1,75(Cambio)= 319,80R$ (Quase o mesmo valor da remessa, devido a valorização do dollar americano) Quando, pelo contrario, se o pacote voltasse para o remetente poderia receber o conteúdo de volta, fracionado em 7 pacote de valor , frete incluído de 49,00 dólares(Não tributado). Custo total : os 8,00 dollares do frete vezes 7, igual 56,00 dollares, bem meno que 319 de impostos.
  2. guidoba1950

    TUTORIAL - LIBERACAO DE MERCADORIA VIA DSI NOS CORREIOS.

    Realmente tenho uma situação um pouco diferente. Estava recebendo uma remessa do Canada, não sei quais documentos o remetente juntou no pacote. O valor total da mercadoria é de 296,00US$ frete incluido. A remessa caiu na malha fina da Receita em São Paulo. Naquele escritorio SEAD GINOP trabalham juntos o auditor da receita e o funcionario dos Correios. O auditor não conversa com a gente, manda o funcionario dos Correios entrar em contato com um telegrama. Assim foi, recebi um telegrama me convidando para abrir um processo de importação no "Import facil" utilizando o site dos Correios, junto no telegrama o endereço de email corporativo do funcionario dos Correios. Logo percebi como o auditor da Receita, não sei como, inquadrou a minha renessa em um valor superior aos 500,00US$ ou seja na liberação pelo DSI import facil quando teria que ser pelo NTS Nota de Tributação Simplificada. Escrevi para o funcionario dos Correios enviando as provas do real valor mas o email chegou desconfigurado. O endereço aceita arquivos de prefrencia pdf até um GB, então melhor compactar primeiro.Depois ter copiado, compactado e arquivado em pdf enviei de novo pelo email : Copia da invoice (Fatura) do PayPal-Copia do debito em conta da fatura na minha conta do banco-Copia do meu account no site onde comprei a mercadoria com as fotos do conteudo da encomenda e descrição traduzida em portugues de cada item do conteudo (São 29 items)-Copia dos meus documentos (RG e CPF), comprovante de residença (Melhor a conta da agua que a da luz, não me pergunte porque)-Exata localização do vendedor Canadense, nome, sobrenome, cidade, estado do Canada e mapa do Google Map com direito a bolinha na cidade (Só para exagerar). Só não sabia como demostrar que sou pessoa fisica assim como o remetente, aí foi a minha palavra.O funcionario dos Correios respondeu prontamente me comunicando que a documentação tinha chegado em ordem e que estava ao dispor de Deus, pardon, do auditor para revisão. Essa é a minha primeira experiencia com a Receita e adimito que foi desgastante. Primeiro me sinto abusado por ter uma avaliação injusta e não sei com qual principio da mercadoria.Porque mais que 500,00Dollares? Porque me convidar a utilizar o Import Facil ? Assim como se o certo fosse o palpite do auditor, e baseado em que?Secundo para ter a obrigação de me defender daquela que considero uma armadilha.
  3. Os comerciantes chineses descubriram como fraudar a receita mais uma vez. No lugar de desebarcar os Containers nos portos Brasileiros, desembarcam no Paraguay...... mas o Paraguay não tem saida para o mar !! Sim verdade mas o Brasil tem. Aqui entra o lado negro da Força. Os containers cheios de muambas chinesa chegam no porto de Paranoá no Parana com destino Paraguay. Sendo que os container estão transitando pelo Brasil com destino outro Pais, não são aplicados impostos. Só podem ser fiscalizados pela Receita, para averiguar se o conteudo é o mesmo que aparece na descrição da nota fiscal. E até aqui não tem problema, a nota sempre bate com os produtos. Liberados pela Receita os container seguem o caminho para a fronteira com o Paraguay. Naquele Pais pagam os impostos (Pouco) ou não pagam e são descarregados, encaminhados outra vez para o Brasil, entram no Pais clandestinamente e são distribuidos como antes.
  4. Avião não tripulado da PF entra em ação depois de 6 meses sem gasolina Depois 6 meses parado, devido a um problema na licitação sobre o fornecimento de gasolina o primeiro avião não tripulado da PF fez um primeiro voô na fronteira entre Brasil.Paraguay e Argentina. O resultado foi surprendente. Foram descubertos contrabandistas no rio e na mata, trasportando mercadoria de barco e camião. Os barcos e os camiões pareciam bem abastecidos de carburante. Foram filmados tambem lancha da PF paradas no pier, não operativos por falta de combustivel.
  5. Passageiro é preso em terminal do RJ com 70 kg de pedras preciosas (Fonte Redetv.com.br) E`um esquema consolidado que envolve hábitos culturais e leis obsoletas. 70 kg de pedras brutas são 350.000 quilates. Quando lapidadas o aproveitamento varia entre 20 e 40% ou seja 70 Kg se tornam 70/140.000 quilates de pedras lapidadas. Fazendo uma media de 8 quilate por pedra, estamos com 8750/17500 pedras preciosas lapidadas na Índia. Essas pedras são vendidas no mercado internacional a 1-2 US$ cada uma as ametistas e até 5US$ as esmeraldas, por quilate. Ou seja uma valor total médio entre 245 e 500.000US$. O preço por quilate é menor que aqui no Brasil e esse é o habito cultural. Brasileiro quer lucrar mais. As pedras brutas eram destinadas ao exterior no estado bruto, outro habito cultural. Brasileiro quer ganhar logo. As pedras lapidadas na Índia poderiam ser compradas por brasileiros. Sim, tudo bem, se passar dos 50 dollares com 60% de imposto sobre o total, frete incluído. E essa é a lei obsoleta. Assim o Pais perde 2 vezes. Quando as pedras saem e quando as pedras entram. Fico revoltado lendo noticias como essa. Moro na Bahia e o sujeito preso vinha de Campo Formoso, 600km de Salvador, terra das esmeraldas,extraídas na Serra da Carnaíba. Lapidário baiano ganha pouco, cerca de 1,00R$ por quilate de pedra lapidada, não acho que ganhe muito mais de um lapidário indiano. Qualquer pessoa pode averiguar como no maior site internacional de venda pela Net, digitando "Gemstones", aparecem pedras preciosas de origem brasileira, oferecidas a preços menores de quanto o mesmo site, na versão nacional, oferece a venda no mercado interno. Ou seja, são contrabandadas pedras brutas para o exterior (Índia-Tailândia-Cina-USA, são os destinos).As pedras são lapidadas e vendidas no mundo todo.Brasileiro que quiser comprar lá fora, paga menos de quanto pagaria no Pais dele, manda dinheiro para o exterior, enriquecendo comerciantes estrangeiros e Correios estrangeiros e, por cima, paga impostos.O Governo Federal teria que encomendar, na minha opinião,para o Ministério da Fazenda uma pesquisa aprofundada sobre essa situação. Não adianta somente fiscalizar.Por 70Kg presos, já passaram 700Kg. A solução esta no aprimorar as leis, favorecer lapidação e comercio no Pais, para competir no mercado internacional, sendo que os minerais são nossos.Não faz sentido pagar o que já é do Brasil, comprando no exterior, assim não dá certo e não precisa ser um Expert em Comercio Exterior para entender que o sistema esta redondamente errado. E`um esquema consolidado que envolve hábitos culturais e leis obsoletas. 70 kg de pedras brutas são 350.000 quilates. Quando lapidadas o aproveitamento varia entre 20 e 40% ou seja 70 Kg se tornam 70/140.000 quilates de pedras lapidadas. Fazendo uma media de 8 quilate por pedra, estamos com 8750/17500 pedras preciosas lapidadas na Índia. Essas pedras são vendidas no mercado internacional a 1/2 US$ cada uma as ametistas e até 5US$ as esmeraldas, por quilate. Ou seja uma valor total médio entre 245 e 500.000US$. O preço por quilate é menor que aqui no Brasil e esse é o habito cultural. Brasileiro quer lucrar mais. As pedras brutas eram destinadas ao exterior no estado bruto, outro habito cultural. Brasileiro quer ganhar logo. As pedras lapidadas na Índia poderiam ser compradas por brasileiros. Sim, tudo bem, se passar dos 50 dollares com 60% de imposto sobre o total, frete incluído. E essa é a lei obsoleta. Assim o Pais perde 2 vezes. Quando as pedras saem e quando as pedras entram. Fico revoltado lendo noticias como essa. Moro na Bahia e o sujeito preso vinha de Campo Formoso, 600km de Salvador, terra das esmeraldas,extraídas na Serra da Carnaíba. Lapidário baiano ganha pouco, cerca de 1,00R$ por quilate de pedra lapidada, não acho que ganhe muito mais de um lapidário indiano. Qualquer pessoa pode averiguar como no maior site internacional de venda pela Net, digitando "Gemstones", aparecem pedras preciosas de origem brasileira, oferecidas a preços menores de quanto o mesmo site, na versão nacional, oferece a venda no mercado interno. Ou seja, são contrabandadas pedras brutas para o exterior (Índia-Tailândia-Cina, são os destinos).As pedras são lapidadas e vendidas no mundo todo.Brasileiro que quiser comprar lá fora, paga menos de quanto pagaria no Pais dele, manda dinheiro para o exterior, enriquecendo comerciantes estrangeiros e Correios estrangeiros e, por cima, paga impostos.O Governo Federal teria que encomendar, na minha opinião,para o Ministério da Fazenda uma pesquisa aprofundada sobre essa situação. Não adianta somente fiscalizar.Por 70Kg presos, já passaram 700Kg. A solução esta no aprimorar as leis, favorecer lapidação e comercio no Pais, para competir no mercado internacional, sendo que os minerais são nossos.Não faz sentido pagar o que já é do Brasil, comprando no exterior, assim não dá certo e não precisa ser um Expert em Comercio Exterior para entender que o sistema esta redondamente erradoMoro na Bahia e o sujeito preso vinha de Campo Formoso, 600km de Salvador, terra das esmeraldas,extraídas na Serra da Carnaíba. Lapidário baiano ganha pouco, cerca de 1,00R$ por quilate de pedra lapidada, não acho que ganhe muito mais de um lapidário indiano. Qualquer pessoa pode averiguar como no maior site internacional de venda pela Net, digitando "Gemstones", aparecem pedras preciosas de origem brasileira, oferecidas a preços menores de quanto o mesmo site, na versão nacional, oferece a venda no mercado interno. Ou seja, são contrabandadas pedras brutas para o exterior (Índia-Tailândia-Cina, são os destinos).As pedras são lapidadas e vendidas no mundo todo.Brasileiro que quiser comprar lá fora, paga menos de quanto pagaria no Pais dele, manda dinheiro para o exterior, enriquecendo comerciantes estrangeiros e Correios estrangeiros e, por cima, paga impostos.O Governo Federal teria que encomendar, na minha opinião,para o Ministério da Fazenda uma pesquisa aprofundada sobre essa situação. Não adianta somente fiscalizar.Por 70Kg presos, já passaram 700Kg. A solução esta no aprimorar as leis, favorecer lapidação e comercio no Pais, para competir no mercado internacional, sendo que os minerais são nossos.Não faz sentido pagar o que já é do Brasil, comprando no exterior, assim não dá certo e não precisa ser um Expert em Comercio Exterior para entender que o sistema esta redondamente errado. Moro na Bahia e o sujeito preso vinha de Campo Formoso, 600km de Salvador, terra das esmeraldas,extraídas na Serra da Carnaíba. Lapidário baiano ganha pouco, cerca de 1,00R$ por quilate de pedra lapidada, não acho que ganhe muito mais de um lapidário indiano. Qualquer pessoa pode averiguar como no maior site internacional de venda pela Net, digitando "Gemstones", aparecem pedras preciosas de origem brasileira, oferecidas a preços menores de quanto o mesmo site, na versão nacional, oferece a venda no mercado interno. Ou seja, são contrabandadas pedras brutas para o exterior (Índia-Tailândia-Cina, são os destinos).As pedras são lapidadas e vendidas no mundo todo.Brasileiro que quiser comprar lá fora, paga menos de quanto pagaria no Pais dele, manda dinheiro para o exterior, enriquecendo comerciantes estrangeiros e Correios estrangeiros e, por cima, paga impostos.O Governo Federal teria que encomendar, na minha opinião,para o Ministério da Fazenda uma pesquisa aprofundada sobre essa situação. Não adianta somente fiscalizar.Por 70Kg presos, já passaram 700Kg. A solução esta no aprimorar as leis, favorecer lapidação e comercio no Pais, para competir no mercado internacional, sendo que os minerais são nossos.Não faz sentido pagar o que já é do Brasil, comprando no exterior, assim não dá certo e não precisa ser um Expert em Comercio Exterior para entender que o sistema esta redondamente errado. Moro na Bahia e o sujeito preso vinha de Campo Formoso, 600km de Salvador, terra das esmeraldas,extraídas na Serra da Carnaíba. Lapidário baiano ganha pouco, cerca de 1,00R$ por quilate de pedra lapidada, não acho que ganhe muito mais de um lapidário indiano. Qualquer pessoa pode averiguar como no maior site internacional de venda pela Net, digitando "Gemstones", aparecem pedras preciosas de origem brasileira, oferecidas a preços menores de quanto o mesmo site, na versão nacional, oferece a venda no mercado interno. Ou seja, são contrabandadas pedras brutas para o exterior (Índia-Tailândia-Cina, são os destinos).As pedras são lapidadas e vendidas no mundo todo.Brasileiro que quiser comprar lá fora, paga menos de quanto pagaria no Pais dele, manda dinheiro para o exterior, enriquecendo comerciantes estrangeiros e Correios estrangeiros e, por cima, paga impostos.O Governo Federal teria que encomendar, na minha opinião,para o Ministério da Fazenda uma pesquisa aprofundada sobre essa situação. Não adianta somente fiscalizar.Por 70Kg presos, já passaram 700Kg. A solução esta no aprimorar as leis, favorecer lapidação e comercio no Pais, para competir no mercado internacional, sendo que os minerais são nossos.Não faz sentido pagar o que já é do Brasil, comprando no exterior, assim não dá certo e não precisa ser um Expert em Comercio Exterior para entender que o sistema esta redondamente errado. Moro na Bahia e o sujeito preso vinha de Campo Formoso, 600km de Salvador, terra das esmeraldas,extraídas na Serra da Carnaíba. Lapidário baiano ganha pouco, cerca de 1,00R$ por quilate de pedra lapidada, não acho que ganhe muito mais de um lapidário indiano. Qualquer pessoa pode averiguar como no maior site internacional de venda pela Net, digitando "Gemstones", aparecem pedras preciosas de origem brasileira, oferecidas a preços menores de quanto o mesmo site, na versão nacional, oferece a venda no mercado interno. Ou seja, são contrabandadas pedras brutas para o exterior (Índia-Tailândia-Cina, são os destinos).As pedras são lapidadas e vendidas no mundo todo.Brasileiro que quiser comprar lá fora, paga menos de quanto pagaria no Pais dele, manda dinheiro para o exterior, enriquecendo comerciantes estrangeiros e Correios estrangeiros e, por cima, paga impostos.O Governo Federal teria que encomendar, na minha opinião,para o Ministério da Fazenda uma pesquisa aprofundada sobre essa situação. Não adianta somente fiscalizar.Por 70Kg presos, já passaram 700Kg. A solução esta no aprimorar as leis, favorecer lapidação e comercio no Pais, para competir no mercado internacional, sendo que os minerais são nossos.Não faz sentido pagar o que já é do Brasil, comprando no exterior, assim não dá certo e não precisa ser um Expert em Comercio Exterior para entender que o sistema esta redondamente errado. Moro na Bahia e o sujeito preso vinha de Campo Formoso, 600km de Salvador, terra das esmeraldas,extraídas na Serra da Carnaíba. Lapidário baiano ganha pouco, cerca de 1,00R$ por quilate de pedra lapidada, não acho que ganhe muito mais de um lapidário indiano. Qualquer pessoa pode averiguar como no maior site internacional de venda pela Net, digitando "Gemstones", aparecem pedras preciosas de origem brasileira, oferecidas a preços menores de quanto o mesmo site, na versão nacional, oferece a venda no mercado interno. Ou seja, são contrabandadas pedras brutas para o exterior (Índia-Tailândia-Cina, são os destinos).As pedras são lapidadas e vendidas no mundo todo.Brasileiro que quiser comprar lá fora, paga menos de quanto pagaria no Pais dele, manda dinheiro para o exterior, enriquecendo comerciantes estrangeiros e Correios estrangeiros e, por cima, paga impostos.O Governo Federal teria que encomendar, na minha opinião,para o Ministério da Fazenda uma pesquisa aprofundada sobre essa situação. Não adianta somente fiscalizar.Por 70Kg presos, já passaram 700Kg. A solução esta no aprimorar as leis, favorecer lapidação e comercio no Pais, para competir no mercado internacional, sendo que os minerais são nossos.Não faz sentido pagar o que já é do Brasil, comprando no exterior, assim não dá certo e não precisa ser um Expert em Comercio Exterior para entender que o sistema esta redondamente errado. Moro na Bahia e o sujeito preso vinha de Campo Formoso, 600km de Salvador, terra das esmeraldas,extraídas na Serra da Carnaíba. Lapidário baiano ganha pouco, cerca de 1,00R$ por quilate de pedra lapidada, não acho que ganhe muito mais de um lapidário indiano. Qualquer pessoa pode averiguar como no maior site internacional de venda pela Net, digitando "Gemstones", aparecem pedras preciosas de origem brasileira, oferecidas a preços menores de quanto o mesmo site, na versão nacional, oferece a venda no mercado interno. Ou seja, são contrabandadas pedras brutas para o exterior (Índia-Tailândia-Cina, são os destinos).As pedras são lapidadas e vendidas no mundo todo.Brasileiro que quiser comprar lá fora, paga menos de quanto pagaria no Pais dele, manda dinheiro para o exterior, enriquecendo comerciantes estrangeiros e Correios estrangeiros e, por cima, paga impostos.O Governo Federal teria que encomendar, na minha opinião,para o Ministério da Fazenda uma pesquisa aprofundada sobre essa situação. Não adianta somente fiscalizar.Por 70Kg presos, já passaram 700Kg. A solução esta no aprimorar as leis, favorecer lapidação e comercio no Pais, para competir no mercado internacional, sendo que os minerais são nossos.Não faz sentido pagar o que já é do Brasil, comprando no exterior, assim não dá certo e não precisa ser um Expert em Comercio Exterior para entender que o sistema esta redondamente errado. Moro na Bahia e o sujeito preso vinha de Campo Formoso, 600km de Salvador, terra das esmeraldas,extraídas na Serra da Carnaíba. Lapidário baiano ganha pouco, cerca de 1,00R$ por quilate de pedra lapidada, não acho que ganhe muito mais de um lapidário indiano. Qualquer pessoa pode averiguar como no maior site internacional de venda pela Net, digitando "Gemstones", aparecem pedras preciosas de origem brasileira, oferecidas a preços menores de quanto o mesmo site, na versão nacional, oferece a venda no mercado interno. Ou seja, são contrabandadas pedras brutas para o exterior (Índia-Tailândia-Cina, são os destinos).As pedras são lapidadas e vendidas no mundo todo.Brasileiro que quiser comprar lá fora, paga menos de quanto pagaria no Pais dele, manda dinheiro para o exterior, enriquecendo comerciantes estrangeiros e Correios estrangeiros e, por cima, paga impostos.O Governo Federal teria que encomendar, na minha opinião,para o Ministério da Fazenda uma pesquisa aprofundada sobre essa situação. Não adianta somente fiscalizar.Por 70Kg presos, já passaram 700Kg. A solução esta no aprimorar as leis, favorecer lapidação e comercio no Pais, para competir no mercado internacional, sendo que os minerais são nossos.Não faz sentido pagar o que já é do Brasil, comprando no exterior, assim não dá certo e não precisa ser um Expert em Comercio Exterior para entender que o sistema esta redondamente errado. Moro na Bahia e o sujeito preso vinha de Campo Formoso, 600km de Salvador, terra das esmeraldas,extraídas na Serra da Carnaíba. Lapidário baiano ganha pouco, cerca de 1,00R$ por quilate de pedra lapidada, não acho que ganhe muito mais de um lapidário indiano. Qualquer pessoa pode averiguar como no maior site internacional de venda pela Net, digitando "Gemstones", aparecem pedras preciosas de origem brasileira, oferecidas a preços menores de quanto o mesmo site, na versão nacional, oferece a venda no mercado interno. Ou seja, são contrabandadas pedras brutas para o exterior (Índia-Tailândia-Cina, são os destinos).As pedras são lapidadas e vendidas no mundo todo.Brasileiro que quiser comprar lá fora, paga menos de quanto pagaria no Pais dele, manda dinheiro para o exterior, enriquecendo comerciantes estrangeiros e Correios estrangeiros e, por cima, paga impostos.O Governo Federal teria que encomendar, na minha opinião,para o Ministério da Fazenda uma pesquisa aprofundada sobre essa situação. Não adianta somente fiscalizar.Por 70Kg presos, já passaram 700Kg. A solução esta no aprimorar as leis, favorecer lapidação e comercio no Pais, para competir no mercado internacional, sendo que os minerais são nossos.Não faz sentido pagar o que já é do Brasil, comprando no exterior, assim não dá certo e não precisa ser um Expert em Comercio Exterior para entender que o sistema esta redondamente errado. Moro na Bahia e o sujeito preso vinha de Campo Formoso, 600km de Salvador, terra das esmeraldas,extraídas na Serra da Carnaíba. Lapidário baiano ganha pouco, cerca de 1,00R$ por quilate de pedra lapidada, não acho que ganhe muito mais de um lapidário indiano. Qualquer pessoa pode averiguar como no maior site internacional de venda pela Net, digitando "Gemstones", aparecem pedras preciosas de origem brasileira, oferecidas a preços menores de quanto o mesmo site, na versão nacional, oferece a venda no mercado interno. Ou seja, são contrabandadas pedras brutas para o exterior (Índia-Tailândia-Cina, são os destinos).As pedras são lapidadas e vendidas no mundo todo.Brasileiro que quiser comprar lá fora, paga menos de quanto pagaria no Pais dele, manda dinheiro para o exterior, enriquecendo comerciantes estrangeiros e Correios estrangeiros e, por cima, paga impostos.O Governo Federal teria que encomendar, na minha opinião,para o Ministério da Fazenda uma pesquisa aprofundada sobre essa situação. Não adianta somente fiscalizar.Por 70Kg presos, já passaram 700Kg. A solução esta no aprimorar as leis, favorecer lapidação e comercio no Pais, para competir no mercado internacional, sendo que os minerais são nossos.Não faz sentido pagar o que já é do Brasil, comprando no exterior, assim não dá certo e não precisa ser um Expert em Comercio Exterior para entender que o sistema esta redondamente errado. Moro na Bahia e o sujeito preso vinha de Campo Formoso, 600km de Salvador, terra das esmeraldas,extraídas na Serra da Carnaíba. Lapidário baiano ganha pouco, cerca de 1,00R$ por quilate de pedra lapidada, não acho que ganhe muito mais de um lapidário indiano. Qualquer pessoa pode averiguar como no maior site internacional de venda pela Net, digitando "Gemstones", aparecem pedras preciosas de origem brasileira, oferecidas a preços menores de quanto o mesmo site, na versão nacional, oferece a venda no mercado interno. Ou seja, são contrabandadas pedras brutas para o exterior (Índia-Tailândia-Cina, são os destinos).As pedras são lapidadas e vendidas no mundo todo.Brasileiro que quiser comprar lá fora, paga menos de quanto pagaria no Pais dele, manda dinheiro para o exterior, enriquecendo comerciantes estrangeiros e Correios estrangeiros e, por cima, paga impostos.O Governo Federal teria que encomendar, na minha opinião,para o Ministério da Fazenda uma pesquisa aprofundada sobre essa situação. Não adianta somente fiscalizar.Por 70Kg presos, já passaram 700Kg. A solução esta no aprimorar as leis, favorecer lapidação e comercio no Pais, para competir no mercado internacional, sendo que os minerais são nossos.Não faz sentido pagar o que já é do Brasil, comprando no exterior, assim não dá certo e não precisa ser um Expert em Comercio Exterior para entender que o sistema esta redondamente errado. Moro na Bahia e o sujeito preso vinha de Campo Formoso, 600km de Salvador, terra das esmeraldas,extraídas na Serra da Carnaíba. Lapidário baiano ganha pouco, cerca de 1,00R$ por quilate de pedra lapidada, não acho que ganhe muito mais de um lapidário indiano. Qualquer pessoa pode averiguar como no maior site internacional de venda pela Net, digitando "Gemstones", aparecem pedras preciosas de origem brasileira, oferecidas a preços menores de quanto o mesmo site, na versão nacional, oferece a venda no mercado interno. Ou seja, são contrabandadas pedras brutas para o exterior (Índia-Tailândia-Cina, são os destinos).As pedras são lapidadas e vendidas no mundo todo.Brasileiro que quiser comprar lá fora, paga menos de quanto pagaria no Pais dele, manda dinheiro para o exterior, enriquecendo comerciantes estrangeiros e Correios estrangeiros e, por cima, paga impostos.O Governo Federal teria que encomendar, na minha opinião,para o Ministério da Fazenda uma pesquisa aprofundada sobre essa situação. Não adianta somente fiscalizar.Por 70Kg presos, já passaram 700Kg. A solução esta no aprimorar as leis, favorecer lapidação e comercio no Pais, para competir no mercado internacional, sendo que os minerais são nossos.Não faz sentido pagar o que já é do Brasil, comprando no exterior, assim não dá certo e não precisa ser um Expert em Comercio Exterior para entender que o sistema esta redondamente errado. Moro na Bahia e o sujeito preso vinha de Campo Formoso, 600km de Salvador, terra das esmeraldas,extraídas na Serra da Carnaíba. Lapidário baiano ganha pouco, cerca de 1,00R$ por quilate de pedra lapidada, não acho que ganhe muito mais de um lapidário indiano. Qualquer pessoa pode averiguar como no maior site internacional de venda pela Net, digitando "Gemstones", aparecem pedras preciosas de origem brasileira, oferecidas a preços menores de quanto o mesmo site, na versão nacional, oferece a venda no mercado interno. Ou seja, são contrabandadas pedras brutas para o exterior (Índia-Tailândia-Cina, são os destinos).As pedras são lapidadas e vendidas no mundo todo.Brasileiro que quiser comprar lá fora, paga menos de quanto pagaria no Pais dele, manda dinheiro para o exterior, enriquecendo comerciantes estrangeiros e Correios estrangeiros e, por cima, paga impostos.O Governo Federal teria que encomendar, na minha opinião,para o Ministério da Fazenda uma pesquisa aprofundada sobre essa situação. Não adianta somente fiscalizar.Por 70Kg presos, já passaram 700Kg. A solução esta no aprimorar as leis, favorecer lapidação e comercio no Pais, para competir no mercado internacional, sendo que os minerais são nossos.Não faz sentido pagar o que já é do Brasil, comprando no exterior, assim não dá certo e não precisa ser um Expert em Comercio Exterior para entender que o sistema esta redondamente errado. Moro na Bahia e o sujeito preso vinha de Campo Formoso, 600km de Salvador, terra das esmeraldas,extraídas na Serra da Carnaíba. Lapidário baiano ganha pouco, cerca de 1,00R$ por quilate de pedra lapidada, não acho que ganhe muito mais de um lapidário indiano. Qualquer pessoa pode averiguar como no maior site internacional de venda pela Net, digitando "Gemstones", aparecem pedras preciosas de origem brasileira, oferecidas a preços menores de quanto o mesmo site, na versão nacional, oferece a venda no mercado interno. Ou seja, são contrabandadas pedras brutas para o exterior (Índia-Tailândia-Cina, são os destinos).As pedras são lapidadas e vendidas no mundo todo.Brasileiro que quiser comprar lá fora, paga menos de quanto pagaria no Pais dele, manda dinheiro para o exterior, enriquecendo comerciantes estrangeiros e Correios estrangeiros e, por cima, paga impostos.O Governo Federal teria que encomendar, na minha opinião,para o Ministério da Fazenda uma pesquisa aprofundada sobre essa situação. Não adianta somente fiscalizar.Por 70Kg presos, já passaram 700Kg. A solução esta no aprimorar as leis, favorecer lapidação e comercio no Pais, para competir no mercado internacional, sendo que os minerais são nossos.Não faz sentido pagar o que já é do Brasil, comprando no exterior, assim não dá certo e não precisa ser um Expert em Comercio Exterior para entender que o sistema esta redondamente errado. Moro na Bahia e o sujeito preso vinha de Campo Formoso, 600km de Salvador, terra das esmeraldas,extraídas na Serra da Carnaíba. Lapidário baiano ganha pouco, cerca de 1,00R$ por quilate de pedra lapidada, não acho que ganhe muito mais de um lapidário indiano. Qualquer pessoa pode averiguar como no maior site internacional de venda pela Net, digitando "Gemstones", aparecem pedras preciosas de origem brasileira, oferecidas a preços menores de quanto o mesmo site, na versão nacional, oferece a venda no mercado interno. Ou seja, são contrabandadas pedras brutas para o exterior (Índia-Tailândia-Cina, são os destinos).As pedras são lapidadas e vendidas no mundo todo.Brasileiro que quiser comprar lá fora, paga menos de quanto pagaria no Pais dele, manda dinheiro para o exterior, enriquecendo comerciantes estrangeiros e Correios estrangeiros e, por cima, paga impostos.O Governo Federal teria que encomendar, na minha opinião,para o Ministério da Fazenda uma pesquisa aprofundada sobre essa situação. Não adianta somente fiscalizar.Por 70Kg presos, já passaram 700Kg. A solução esta no aprimorar as leis, favorecer lapidação e comercio no Pais, para competir no mercado internacional, sendo que os minerais são nossos.Não faz sentido pagar o que já é do Brasil, comprando no exterior, assim não dá certo e não precisa ser um Expert em Comercio Exterior para entender que o sistema esta redondamente errado. Moro na Bahia e o sujeito preso vinha de Campo Formoso, 600km de Salvador, terra das esmeraldas,extraídas na Serra da Carnaíba. Lapidário baiano ganha pouco, cerca de 1,00R$ por quilate de pedra lapidada, não acho que ganhe muito mais de um lapidário indiano. Qualquer pessoa pode averiguar como no maior site internacional de venda pela Net, digitando "Gemstones", aparecem pedras preciosas de origem brasileira, oferecidas a preços menores de quanto o mesmo site, na versão nacional, oferece a venda no mercado interno. Ou seja, são contrabandadas pedras brutas para o exterior (Índia-Tailândia-Cina, são os destinos).As pedras são lapidadas e vendidas no mundo todo.Brasileiro que quiser comprar lá fora, paga menos de quanto pagaria no Pais dele, manda dinheiro para o exterior, enriquecendo comerciantes estrangeiros e Correios estrangeiros e, por cima, paga impostos.O Governo Federal teria que encomendar, na minha opinião,para o Ministério da Fazenda uma pesquisa aprofundada sobre essa situação. Não adianta somente fiscalizar.Por 70Kg presos, já passaram 700Kg. A solução esta no aprimorar as leis, favorecer lapidação e comercio no Pais, para competir no mercado internacional, sendo que os minerais são nossos.Não faz sentido pagar o que já é do Brasil, comprando no exterior, assim não dá certo e não precisa ser um Expert em Comercio Exterior para entender que o sistema esta redondamente errado. Moro na Bahia e o sujeito preso vinha de Campo Formoso, 600km de Salvador, terra das esmeraldas,extraídas na Serra da Carnaíba. Lapidário baiano ganha pouco, cerca de 1,00R$ por quilate de pedra lapidada, não acho que ganhe muito mais de um lapidário indiano. Qualquer pessoa pode averiguar como no maior site internacional de venda pela Net, digitando "Gemstones", aparecem pedras preciosas de origem brasileira, oferecidas a preços menores de quanto o mesmo site, na versão nacional, oferece a venda no mercado interno. Ou seja, são contrabandadas pedras brutas para o exterior (Índia-Tailândia-Cina, são os destinos).As pedras são lapidadas e vendidas no mundo todo.Brasileiro que quiser comprar lá fora, paga menos de quanto pagaria no Pais dele, manda dinheiro para o exterior, enriquecendo comerciantes estrangeiros e Correios estrangeiros e, por cima, paga impostos.O Governo Federal teria que encomendar, na minha opinião,para o Ministério da Fazenda uma pesquisa aprofundada sobre essa situação. Não adianta somente fiscalizar.Por 70Kg presos, já passaram 700Kg. A solução esta no aprimorar as leis, favorecer lapidação e comercio no Pais, para competir no mercado internacional, sendo que os minerais são nossos.Não faz sentido pagar o que já é do Brasil, comprando no exterior, assim não dá certo e não precisa ser um Expert em Comercio Exterior para entender que o sistema esta redondamente errado. Moro na Bahia e o sujeito preso vinha de Campo Formoso, 600km de Salvador, terra das esmeraldas,extraídas na Serra da Carnaíba. Lapidário baiano ganha pouco, cerca de 1,00R$ por quilate de pedra lapidada, não acho que ganhe muito mais de um lapidário indiano. Qualquer pessoa pode averiguar como no maior site internacional de venda pela Net, digitando "Gemstones", aparecem pedras preciosas de origem brasileira, oferecidas a preços menores de quanto o mesmo site, na versão nacional, oferece a venda no mercado interno. Ou seja, são contrabandadas pedras brutas para o exterior (Índia-Tailândia-Cina, são os destinos).As pedras são lapidadas e vendidas no mundo todo.Brasileiro que quiser comprar lá fora, paga menos de quanto pagaria no Pais dele, manda dinheiro para o exterior, enriquecendo comerciantes estrangeiros e Correios estrangeiros e, por cima, paga impostos.O Governo Federal teria que encomendar, na minha opinião,para o Ministério da Fazenda uma pesquisa aprofundada sobre essa situação. Não adianta somente fiscalizar.Por 70Kg presos, já passaram 700Kg. A solução esta no aprimorar as leis, favorecer lapidação e comercio no Pais, para competir no mercado internacional, sendo que os minerais são nossos.Não faz sentido pagar o que já é do Brasil, comprando no exterior, assim não dá certo e não precisa ser um Expert em Comercio Exterior para entender que o sistema esta redondamente errado. Fico revoltado lendo noticias como essa. Moro na Bahia e o sujeito preso vinha de Campo Formoso, 600km de Salvador, terra das esmeraldas,extraídas na Serra da Carnaíba. Lapidário baiano ganha pouco, cerca de 1,00R$ por quilate de pedra lapidada, não acho que ganhe muito mais de um lapidário indiano. Qualquer pessoa pode averiguar como no maior site internacional de venda pela Net, digitando "Gemstones", aparecem pedras preciosas de origem brasileira, oferecidas a preços menores de quanto o mesmo site, na versão nacional, oferece a venda no mercado interno. Ou seja, são contrabandadas pedras brutas para o exterior (Índia-Tailândia-Cina, são os destinos).As pedras são lapidadas e vendidas no mundo todo.Brasileiro que quiser comprar lá fora, paga menos de quanto pagaria no Pais dele, manda dinheiro para o exterior, enriquecendo comerciantes estrangeiros e Correios estrangeiros e, por cima, paga impostos.O Governo Federal teria que encomendar, na minha opinião,para o Ministério da Fazenda uma pesquisa aprofundada sobre essa situação. Não adianta somente fiscalizar.Por 70Kg presos, já passaram 700Kg. A solução esta no aprimorar as leis, favorecer lapidação e comercio no Pais, para competir no mercado internacional, sendo que os minerais são nossos.Não faz sentido pagar o que já é do Brasil, comprando no exterior, assim não dá certo e não precisa ser um Expert em Comercio Exterior para entender que o sistema esta redondamente errado.Fico revoltado lendo noticias como essa. Moro na Bahia e o sujeito preso vinha de Campo Formoso, 600km de Salvador, terra das esmeraldas,extraídas na Serra da Carnaíba. Lapidário baiano ganha pouco, cerca de 1,00R$ por quilate de pedra lapidada, não acho que ganhe muito mais de um lapidário indiano. Qualquer pessoa pode averiguar como no maior site internacional de venda pela Net, digitando "Gemstones", aparecem pedras preciosas de origem brasileira, oferecidas a preços menores de quanto o mesmo site, na versão nacional, oferece a venda no mercado interno. Ou seja, são contrabandadas pedras brutas para o exterior (Índia-Tailândia-Cina, são os destinos).As pedras são lapidadas e vendidas no mundo todo.Brasileiro que quiser comprar lá fora, paga menos de quanto pagaria no Pais dele, manda dinheiro para o exterior, enriquecendo comerciantes estrangeiros e Correios estrangeiros e, por cima, paga impostos.O Governo Federal teria que encomendar, na minha opinião,para o Ministério da Fazenda uma pesquisa aprofundada sobre essa situação. Não adianta somente fiscalizar.Por 70Kg presos, já passaram 700Kg. A solução esta no aprimorar as leis, favorecer lapidação e comercio no Pais, para competir no mercado internacional, sendo que os minerais são nossos.Não faz sentido pagar o que já é do Brasil, comprando no exterior, assim não dá certo e não precisa ser um Expert em Comercio Exterior para entender que o sistema esta redondamente errado. paraOAseãoidd, cerca de 1 ianopidariito preso sujeito preso.. (((((
  6. Pintamos um cenário imaginário. Consegui entrar em possesso de uma esmeralda de 380 KG. Comprada nos Estados Unidos pela micharia de 370.000.000,00 US$. Como faço para trazer ela para o Brasil sem pagar nada, mas nada mesmo de impostos ?? A pedra foi extraída no Brasil no 2001 na Serra da Carnaíba BA e vendida pelo garimpeiro por 10.000,00 R$, quem comprou vendeu por 40.000,00R$ e depois ? Depois sumiu e foi parar nos USA e ninguém sabe como passou batida pela nossa fronteira sem que tivesse ser emitido algum documento ou pago algum imposto. Se quisesse trazer ela de volta teria que pagar impostos sendo que paguei 370 mil com recursos que eu tinha no exterior, fruto de negócios em outro Pais?. Pedra é pedra, não tem certificado de origem, não posso demostrar que é brasileira, angolana ou colombiana.Vejam aqui a minha esmeralda já embalada.
  7. guidoba1950

    Account nos USA

    Ola, tive que alugar um endereço nos Estados Unidos para poder comprar de fornecedores que não despacham para o Brasil. A empresa americana me deu uma suite e um numero e a mercadoria chega na sede deles para depois ser condicionada novamente em uma só embalagem e despachada para o Brasil. A duvida é a seguente : se eu comprar mercadorias para um total de 35,00US$ de vários fornecedores, todos pessoas físicas. Gasto de trasporte dentro dos Estados Unidos um total de 6,00US$. Gasto de trasporte dos USA para o Brasil, outros 8,00US$. Total de 49,00US$ que é o máximo permitido para isenção de impostos em compras entre pessoas físicas. Mas a empresa americana que junta tudo e envia para o Brasil é pessoa juridica. Ela, na realidade esta me vendendo um serviço.Como posso demostrar para a receita que o conteúdo da remessa da empresa pessoa juridica é um conjunto de remessas separadas de pessoas físicas?
  8. guidoba1950

    Colecionador/Investidor

    Estimados, costumo comprar pela NET e participar de Leilões internacionais. Gostaria ter mais informações sobre como receber pelos correios, obras do exterior (Portugal) trata-se de quadros e objetos de arte, alguns usados, outros podem ser considerados "Velharias". Fiquei sabendo de uma lei do 2003 que permite a importação isente de imposto de obras de arte de origem brasileira (Artistas brasileiros) ou artistas estrangeiros com tema o Brasil. Procede essa informação? Como posso demostrar para a Alfandega que trata-se de obras brasileiras ou com tema o Brasil? Outra duvida é sobre metais preciosos que entram na categoria de "Comodity" : prata-ouro. Se importar prata ou ouro, precisa pagar impostos? O valor é internacional e atualizado diariamente, se tiver que pagar impostos sobre o valor pago, seria, na pratica, impossível receber porque aquele que é um valor de mercado, se tornaria bem acima desse valor. Cordialmente guidoba1950
×