Jump to content
Siscomex - Comércio Exterior
Sign in to follow this  
Siscomex (robô)

[EXAME] O Futuro Verde da Europa Começa na Etiópia

Recommended Posts

CAMBRIDGE – Devastadores incêndios da Amazônia a Austrália, fortes tempestades e mudanças nos padrões de chuva tornaram difícil para os formuladores de políticas permanecerem calados sobre as mudanças climáticas. Nos Estados Unidos, os legisladores democratas e os candidatos à presidência agora falam de um novo acordo verde, que eles seriam capazes de implementar se estivessem na Casa Branca e no Senado nas próximas eleições presidenciais e para o Congresso em novembro.

Da mesma forma, em dezembro, a Comissão Europeia aprovou um Acordo Verde da Europa, que promete uma economia neutra em carbono até 2050, criação generalizada de empregos e melhor qualidade de vida. Com um orçamento proposto de € 1 trilhão (US$ 1,1 trilhão), o plano não é ambicioso. Mas alguns questionaram se o Acordo Verde da Europa pode criar impacto global significativo nas mudanças climáticas. Afinal, a União Europeia responde por apenas cerca de 10% das emissões globais de dióxido de carbono, o que significa que mesmo as principais realizações locais na Europa podem tornar-se insignificantes pelo aumento das emissões em outros lugares.

Seria de se esperar que os europeus liderassem o caminho no apoio a outros países – especialmente no mundo em desenvolvimento – em seus esforços para descarbonizar seu mix de energia. Se existe um país que se destaca por seu potencial de realizar os ideais do Acordo Verde da Europa, é a Etiópia. Se a Europa seguir suas palavras com ações, poderá ajudar a Etiópia a descarbonizar, criar empregos e melhorar o padrão de vida não em 2050, mas no curto prazo.

Vinte anos atrás, a Etiópia figurava entre os países mais pobres do mundo. Mas na década de 2010, o país tornou-se a economia que mais cresce no mundo. Desde 2003, seu crescimento sustentado reduziu a taxa de pobreza em 40% e aumentou a expectativa média de vida de 54 para 66 anos. A estratégia de desenvolvimento da Etiópia é notável porque é doméstica e não é movida por recursos naturais, mas pela expansão das capacidades humanas e sociais.

O Primeiro-Ministro do país, o carismático, humilde e visionário Abiy Ahmed, recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 2019, devido ao seu sucesso em garantir um acordo de paz com a vizinha Eritreia. Ele se dedica a unificar o país, fortalecendo a democracia e os direitos humanos e implementando reformas econômicas destinadas a garantir a macro estabilidade e promover a diversificação. Enquanto o Fórum Econômico Mundial usou sua reunião anual em Davos neste mês para pedir um trilhão de novas árvores a serem plantadas, Ahmed já liderou uma campanha nacional que plantou 350 milhões de mudas de árvores em um único dia. Isso reverteu uma tendência de desmatamento que reduziu a cobertura florestal da Etiópia por décadas.

Mas, para manter esse dinamismo, a Etiópia precisa de muito mais energia – e essa energia precisa ser verde. Para esse fim, as autoridades estão desenvolvendo duas barragens hidrelétricas: a Grande Barragem do Renascimento da Etiópia (GERD) e o Projeto Hidrelétrico Koysha. Juntas, essas barragens gerariam anualmente mais de 20.000 gigawatts-hora de energia, economizando 21,5 milhões de toneladas métricas de emissões de CO 2 por ano. Elas também ajudariam a abastecer a rede ferroviária e os parques industriais do país com energia renovável, gerando emprego e energia excedente para exportar.

Infelizmente, a Etiópia não conseguiu garantir recursos financeiros para concluir essas barragens. Consequentemente, ambos os projetos estão muito atrasados ​​e por causa disso o mundo está mais pobre e mais sujo. Certamente, como em todas as barragens, esses projetos causariam alguns danos colaterais. Como a GERD interrompeu temporariamente os fluxos para o rio Nilo enquanto o reservatório da barragem se enche, o Egito se opõe.

Da mesma forma, a barragem de Koysha criaria um impacto no lago Turkana, localizado apenas parcialmente na Etiópia. No entanto, o governo do Quênia, onde fica a maior parte do lago, quer que a barragem seja concluída para poder comprar parte da energia que seria gerada. Mas alguns membros da comunidade internacional consideraram adequado se opor ao projeto. Claramente, existem dois pesos e duas medidas: embora as barragens possam afetar os fluxos dos rios e deslocar as populações, não se pode ignorar o impacto ambiental da energia solar, eólica e da mineração de silício e minério de ferro.

O grupo italiano de infraestrutura, Salini Impregilo, é o principal contratante de ambas as barragens da Etiópia, mas o Banco Italiano de Importação e Exportação, SACE, retirou € 1,5 bilhões em investimentos planejados da Koysha. Isso forçou os formuladores de políticas a financiar o projeto internamente, o que cria sérios desequilíbrios macroeconômicos, incluindo problemas na balança de pagamentos, repressão financeira, inflação e uma taxa de crescimento menor.

O Acordo Verde da Europa parece bem-intencionado. Mas sua credibilidade deve ser julgada em grande parte pelo que acontece na Etiópia. Um programa do Fundo Monetário Internacional assinado em dezembro deve tranquilizar os funcionários europeus e do SACE sobre a credibilidade financeira da Etiópia, permitindo que os engenheiros italianos voltem ao trabalho nas barragens. Assim como os mineiros usam um canário para determinar se o ar em um poço de minas é seguro, o mundo deve considerar a Etiópia como um teste de sua própria determinação em alcançar um futuro limpo e próspero.

 

Ler artigo completo

Share this post


Link to post
Share on other sites
Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...