Jump to content
Siscomex - Comércio Exterior
Sign in to follow this  
Siscomex (robô)

[EXAME] Sebrae e Renner fazem parceria para ajudar empresas da cadeia de moda

Recommended Posts

O setor de moda foi um dos que cinco que mais sofreu com a pandemia do novo coronavírus. As quedas de faturamento, segundo pesquisa do Sebrae com a FGV, chegaram a 77% abril e estão em 67% agora em maio. Para auxiliar a cadeia produtiva do setor durante esse período, o Sebrae fechou uma parceria com a Lojas Renner para fornecer consultorias sobre gestão financeira e gerenciamento de crise para 220 pequenos negócios brasileiros.

As aulas estão sendo oferecidas a empresas do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais que produzem peças para fornecedores da varejista de roupas. Ao todo, a consultoria dura dois meses, com aulas semanais online, pensadas para atender a realidade de cada empresa. Ao todo, serão 12 horas de atendimento com consultores do Sebrae sobre três temas: gestão financeira, linhas de crédito disponíveis no mercado e dispositivos disponíveis para enfrentar a pandemia.

“Uma boa parte da micro e pequenas empresas não sabe os dispositivos que o governo disponibilizou para todo mundo usar. O desafio é orientá-las”, afirma Carlos Melles, presidente do Sebrae. Para ele, uma ação combinada entre pequenas e grandes empresas é uma forma efetiva de ajudar os empreendedores brasileiros. “A Renner depende das pequenas empresas”, diz.

Henry Costa, diretor de produto da Lojas Renner, concorda. “Quase 70% do que a gente vende é da produção local, fabricado no Brasil, por isso precisamos tanto apoiar os empreendedores e cooperativas de costura e preservá-los para manter nossa cadeia interna viva”, afirma Costa.

A varejista reconhece a importância dos parceiros e trabalha desde 2017 junto ao Sebrae para proporcionar a profissionalização da cadeia produtiva. Até hoje, mais de 200.000 pequenas empresas passaram pelo processo de qualificação empresarial oferecido pela companhia, resultando em um aumento de 23% na produtividade e de 55% na competitividade dos negócios.

A Renner também fez um fundo de 1,5 milhão de reais para ajudar 75 pequenas empresas de confecção. Além disso, a empresa manteve a maior parte dos prazos de pagamento acordados previamente com os fornecedores e não postergou pedidos por causa da pandemia. Agora, conversa com o BNDES para auxiliar os pequenos na tomada de crédito para capital de giro, se colocando como responsável pela garantia do empréstimo e assumindo o papel de distribuir rapidamente o capital para a cadeia.

Empresas selecionadas

As pequenas empresas que participam do programa foram selecionadas pela Renner e pelo Sebrae. Todas são pequenas, com faturamento anual de até 4 milhões de reais, têm um número considerável de funcionários e estão localizadas em regiões estratégicas para Renner e com acesso à rede de consultores do Sebrae.

Uma das beneficiadas foi confecção Lisatex, de Ituporanga, em Santa Catarina, da empresária Franciane de Souza. Ela foi surpreendida com a pandemia de coronavírus. Em um primeiro momento, decidiu dar férias aos 15 funcionários, mas depois percebeu que precisaria parar a produção completamente e suspender os contratos. Dois meses depois, a fábrica ainda está parada.

Com o auxílio financeiro da Renner, conseguiu pagar despesas fixas, mas não sabe como fará para sobreviver mais um mês com o negócio fechado. O curso disponibilizado pelo Sebrae a ajuda a pensar no futuro. “Está sendo bom, temos uma visão administrativa e descobrimos novas saídas para as decisões que vamos ter que tomar daqui para frente”, diz Souza.

 

Jaison Koch, proprietário da Invest Têxtil, em Taió, Santa Catarina, também está achando o processo de consultoria interessante para pensar em formas de lidar com a crise. “A perspectiva para este ano está complicada, não sei se vai voltar ao normal. Estamos sem saber o que fazer”, afirma Koch.

Sua confecção, que emprega 18 pessoas, fabrica roupas masculinas e femininas para um fornecedor da Renner. Quando a pandemia forçou o fechamento das escolas, sua produção precisou parar, já que boa parte das funcionárias não tinha com quem deixar os filhos pequenos. Agora, 80% do pessoal está com contrato suspenso em casa. Na fábrica, as poucas pessoas que trabalham produzem máscaras de proteção facial.

Com o auxílio financeiro recebido da varejista, conseguirá manter a empresa por mais dois ou três meses pagando os custos fixos. “Foi como ganhar na loteria, só acreditei quando vi o dinheiro na conta”, diz.

Para auxiliar outros segmentos produtivos, o Sebrae negocia com grandes empresas brasileiras para operacionalizar parcerias similares. Além da Renner, a entidade fechou uma parceria com o Magazine Luiza no final de abril para permitir o acesso de pequenos empresários ao marketplace da varejista, proporcionando uma nova fonte de renda para os negócios que ainda não tinham presença digital.

Ler artigo completo

Share this post


Link to post
Share on other sites
Sign in to follow this  

×
×
  • Create New...