Jump to content
Siscomex - Comércio Exterior
hdtuf

Habilitação Siscomex para MEI.

Recommended Posts

Abri uma empresa MEI recentemente. Como faço para providenciar a Habilitação no Siscomex ?

 

Alguém poderia dar uma lista dos documentos necessários ?

 

Tem alguém de Fortaleza que posso me ajudar?

 

Obrigado!

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Já que ninguém respondeu, eu respondo.

 

Só precisei dos seguintes documentos:

 

  • Certificado de MEI
  • Declaração simplificada
  • Copia do RG e CPF ( Não precisa autenticar)
  • E-Cnpj.

Só isso, o radar já foi deferido. Não precisei pagar 1.500 reais para ninguém.

  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites

Hallyson

 

Boa tarde!

 

O Radar normalmente é feito pelo responsável legal da empresa ou pelo seu contador.

 

O despachante aduaneiro, atualmente, pouco se envolve neste processo.

 

Precisando de auxilio com seus processos de importação, fique à vontade em contatar.

 

Sds,

 

Vinicius

 

 

Abaixo listo a IN que define estes procedimentos:

 

 

Instrução Normativa RFB nº 1.288, de 31 de agosto de 2012

DOU de 3.9.2012

 

Estabelece procedimentos de habilitação de importadores, exportadores e internadores da Zona Franca de Manaus para operação no Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex) e de credenciamento de seus representantes para a prática de atividades relacionadas ao despacho aduaneiro.

O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso da atribuição que lhe confere o inciso III do art. 280 do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF nº 203, de 14 de maio de 2012, e tendo em vista o disposto no art. 16 da Lei nº 9.779, de 19 de janeiro de 1999, e nos arts. 2º e 3º da Portaria MF nº 350, de 16 de outubro de 2002, resolve:

Art. 1º A habilitação da pessoa física responsável por pessoa jurídica importadora, exportadora ou internadora da Zona Franca de Manaus (ZFM), para a prática de atos no Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex), e o credenciamento dos respectivos representantes para a prática de atividades relacionadas com o despacho aduaneiro, perante a Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB), deverão ser formalizados com observância do disposto nesta Instrução Normativa.

Parágrafo único. As disposições desta Instrução Normativa aplicam-se também aos órgãos da administração pública direta, autarquias, fundações públicas, órgãos públicos autônomos, organismos internacionais e a outras instituições extraterritoriais, bem como às pessoas físicas em seus próprios nomes.

CAPÍTULO I
DAS MODALIDADES DE HABILITAÇÃO

Art. 2º A habilitação, de que trata o art. 1º, será requerida pelo interessado, e poderá ser deferida para uma das seguintes modalidades:

I - pessoa jurídica, nas seguintes submodalidades:

a) expressa, no caso de:

1. pessoa jurídica constituída sob a forma de sociedade anônima de capital aberto, com ações negociadas em bolsa de valores ou no mercado de balcão, bem como suas subsidiárias integrais;

2. pessoa jurídica autorizada a utilizar o Despacho Aduaneiro Expresso (Linha Azul), nos termos da Instrução Normativa SRF nº 476, de 13 de dezembro 2004;

3. empresa pública ou sociedade de economia mista;

4. órgãos da administração pública direta, autarquia e fundação pública, órgão público autônomo, organismo internacional e outras instituições extraterritoriais;

5. pessoa jurídica habilitada para fruir dos benefícios fiscais previstos na Lei nº 12.350, de 20 de dezembro de 2010; e

6. pessoa jurídica que pretende atuar exclusivamente em operações de exportação;

B) ilimitada, no caso de pessoa jurídica cuja estimativa da capacidade financeira a que se refere o art. 4º e seus parágrafos seja superior a US$ 150.000,00 (cento e cinquenta mil dólares dos Estados Unidos da América); ou

c) limitada, no caso de pessoa jurídica cuja estimativa da capacidade financeira a que se refere o art. 4º e seus parágrafos seja igual ou inferior a US$ 150.000,00 (cento e cinquenta mil dólares dos Estados Unidos da América); ou

II - pessoa física, no caso de habilitação do próprio interessado, inclusive quando qualificado como produtor rural, artesão, artista ou assemelhado.

§ 1º Para fins do disposto nas alíneas "b" e "c" do inciso I do caput, a estimativa da capacidade financeira para operações de comércio exterior com cobertura cambial, em cada período consecutivo de 6 (seis) meses, será apurada mediante a sistemática de cálculo definida em ato normativo expedido pela Coordenação-Geral de Administração Aduaneira (Coana).

§ 2º A pessoa física habilitada nos termos do inciso II do caput poderá realizar tão somente:

I - operações de comércio exterior para a realização de suas atividades profissionais, inclusive na condição de produtor rural, artesão, artista ou assemelhado;

II - importações para seu uso e consumo próprio; e

III - importações para suas coleções pessoais.

§ 3º Para fins do disposto no § 2º, considera-se produtor rural a pessoa física que explore atividade rural, individualmente ou sob a forma de parceria, arrendamento ou condomínio, comprovada documentalmente.

CAPÍTULO II
DA HABILITAÇÃO DO RESPONSÁVEL POR PESSOA JURÍDICA

Art. 3º A habilitação do responsável legal pela pessoa jurídica será solicitada mediante requerimento, conforme o modelo constante do Anexo Único a esta Instrução Normativa, apresentado em qualquer unidade da RFB, instruído com os seguintes documentos:

I - cópia do documento de identificação do responsável legal pela pessoa jurídica, e do signatário do requerimento, se forem pessoas distintas;

II - instrumento de outorga de poderes para representação da pessoa jurídica, quando for o caso; e

III - cópia do ato de designação do representante legal de órgão da administração pública direta, de autarquia, de fundação pública, de órgão público autônomo, de organismos internacionais, ou de outras instituições extraterritoriais, bem como da correspondente identificação pessoal, conforme o caso.

§ 1º Para requerimento da habilitação relativa às submodalidades a que se referem as alíneas "b" e "c" do inciso I do caput do art. 2º, é obrigatória:

I - a apresentação do contrato social e da certidão da Junta Comercial, além dos documentos de que trata o caput; e

II - a prévia adesão ao Domicílio Tributário Eletrônico (DTE).

§ 2º O deferimento da habilitação de que trata a alínea "a" do inciso I do caput do art. 2º será realizado com base somente na verificação documental, não sendo aplicável a análise fiscal a que se refere o art. 4º.

§ 3º Os representantes das associações estrangeiras membros da Fédération Internationale de Football Association (Fifa) que participarão da Copa das Confederações FIFA 2013 e da Copa do Mundo Fifa 2014 serão habilitados de ofício.

§ 4º Poderá ser habilitado como responsável no Siscomex por órgão público, instituição ou organismo internacional:

I - a pessoa física com a qualificação indicada na tabela do Anexo XI à Instrução Normativa RFB nº 1.183, de 19 de agosto de 2011, ou o servidor público por ela designado; e

II - o responsável legal no Brasil por organismo internacional ou instituição extraterritorial, ou qualquer pessoa por ele designada.

§ 5º Nos casos de fusão, cisão ou incorporação, a sucessora poderá requerer habilitação em nome da sucedida.

Art. 4º Para fins de deferimento da solicitação de habilitação, a pessoa jurídica requerente será submetida à análise fiscal.

§ 1º A análise a que se refere o caput consiste, também, em estimar a capacidade financeira da pessoa jurídica para operar no comércio exterior, relativa a cada período de 6 (seis) meses.

§ 2º A estimativa da capacidade financeira da pessoa jurídica determinará o enquadramento da sua habilitação em uma das submodalidades previstas no inciso I do caput do art. 2º.

§ 3º A estimativa da capacidade financeira da pessoa jurídica, apurada por ocasião da habilitação, poderá ser revista a qualquer tempo pela RFB:

I - de ofício, com base nas informações disponíveis em suas bases de dados; ou

II - a pedido, mediante a prestação de informações adicionais pelo interessado.

Art. 5º A pessoa jurídica habilitada na submodalidade "limitada" poderá, para fins de habilitação na submodalidade ilimitada, requerer, na forma do Anexo Único a esta Instrução Normativa, revisão da estimativa apurada na análise fiscal, apresentando documentação que ateste capacidade financeira superior à estimada.

Art. 6º A pessoa jurídica requerente poderá ser intimada a regularizar pendências ou apresentar documentos ou esclarecimentos quando, no curso da análise fiscal de que trata o art. 4º, forem constatadas:

I - lacunas ou inconsistências nas informações disponíveis nas bases de dados dos sistemas da RFB; ou

II - indícios de ocorrência das situações arroladas no art. 14.

§ 1º Para fins de verificação das informações, poderão ser realizadas diligências no domicílio fiscal do requerente ou intimada a presença, na unidade da RFB de habilitação, do responsável pela pessoa jurídica, bem como de outro sócio ou diretor, do encarregado pelas transações internacionais ou do responsável pela elaboração da escrituração contábil-fiscal, para prestarem esclarecimentos.

§ 2º Em relação às submodalidades a que se referem as alíneas "b" e "c"do inciso I do art. 2º, poderão ser exigidos os seguintes documentos:

I - comprovação da origem e da integralização do capital social; e

II - comprovação da existência física e da capacidade operacional da empresa.

§ 3º Poderão ser adotadas pela unidade da RFB de fiscalização aduaneira de zona secundária do estabelecimento matriz as seguintes providências pertinentes, conforme o caso:

I - comunicação ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e ao Banco Central do Brasil (Bacen), nos termos do art. 3º da Portaria MF nº 350, de 16 de outubro de 2002, quando for detectado indício que possa configurar a ocorrência de crime de "lavagem de dinheiro" ou de ocultação de bens, direitos e valores;

II - representação ao chefe da unidade da RFB que jurisdiciona o domicílio da pessoa física ou jurídica, quando detectada falta de recolhimento de tributos administrados pela RFB;

III - representação ao Ministério Público Federal quando constatado indício da prática de crime, nos termos da legislação específica sobre a representação fiscal para fins penais;

IV - representação ao chefe da unidade da RFB que jurisdiciona o domicílio da pessoa jurídica para fins de baixa de ofício da inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ), quando constatado que a pessoa jurídica seja inexistente de fato, nos termos dos arts. 27 e 29 da Instrução Normativa RFB nº 1.183, de 2011; ou

V - representação ao chefe da unidade da RFB que jurisdiciona o estabelecimento da pessoa jurídica para fins de declaração de nulidade do ato cadastral, quando constatado vício perante o CNPJ, nos termos do art. 33 da Instrução Normativa RFB nº 1.183, de 2011.

Art. 7º Será indeferido, independentemente de intimação do requerente, o requerimento de habilitação:

I - apresentado em desacordo com o disposto no art. 3º;

II - instruído com declaração ou documento falso;

III - apresentado por pessoa jurídica, que deixar de:

a) atender à intimação no prazo estabelecido; ou

B) regularizar as pendências, ou de apresentar os documentos ou os esclarecimentos objeto da intimação; ou

IV - apresentado por pessoa jurídica contra a qual seja comprovada a ocorrência das hipóteses previstas nos incisos I a VII e XIII do art. 14.

CAPÍTULO III
DA HABILITAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Art. 8º A habilitação da pessoa física será solicitada mediante requerimento, conforme o modelo constante do Anexo Único a esta Instrução Normativa, apresentado em qualquer unidade da RFB, e deverá ser instruído com os seguintes documentos:

I - cópia do documento de identificação com foto;

II - instrumento de mandato do representante e cópia de seu documento de identificação, quando for o caso;

III - nota fiscal de produtor rural, quando for o caso; e

IV - cópia da carteira de artesão, quando for o caso.

Parágrafo único. Será indeferido o requerimento de habilitação apresentado em desacordo com o disposto no caput.

CAPÍTULO IV
DA FORMALIZAÇÃO DA HABILITAÇÃO

Art. 9º Os requerimentos a que se referem os arts. 3º, 5º e 8º constituirão peça inicial do processo eletrônico (e-processo) com vistas à habilitação ou revisão, conforme o caso, devendo o referido processo ser encaminhado de imediato pela unidade da RFB de protocolo do requerimento, para análise da unidade da RFB de jurisdição aduaneira do requerente.

CAPÍTULO V
DA DISPENSA DE HABILITAÇÃO

Art. 10. A pessoa física ou jurídica está dispensada da habilitação de que trata esta Instrução Normativa para a realização das seguintes operações:

I - importação, exportação ou internação não sujeita a registro no Siscomex, ou quando o importador ou o exportador optar pela utilização de formulários de Declaração Simplificada de Importação ou Declaração Simplificada de Exportação;

II - bagagem desacompanhada e outras importações, exportações ou internações, realizadas por pessoa física, em que a legislação faculte a transmissão da declaração simplificada por servidor da RFB;

III - importação, exportação ou internação realizada por intermédio da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) ou de empresa de transporte expresso internacional; ou

IV - retificação ou consulta de declaração, caso tenha operado anteriormente no comércio exterior.

§ 1º Estão dispensados da habilitação de que trata esta Instrução Normativa, também, o depositário, o agente marítimo, a empresa de transporte expresso internacional, a ECT, o transportador, o consolidador e o desconsolidador de carga, bem como outros intervenientes não relacionados no art. 1º, quando realizarem, no Siscomex, operações relativas à sua atividade-fim.

§ 2º Os intervenientes referidos no § 1º estarão sujeitos à habilitação e às demais regras previstas nesta Instrução Normativa, quando realizarem operações de importação, exportação ou internação da ZFM, destinadas às suas próprias atividades.

CAPÍTULO VI
DO CREDENCIAMENTO DE REPRESENTANTES PARA ACESSO AO SISCOMEX

Art. 11. Poderá ser credenciado a operar o Siscomex como representante de pessoa física ou jurídica, no exercício das atividades relacionadas com o despacho aduaneiro:

I - despachante aduaneiro;

II - dirigente ou empregado da pessoa jurídica representada;

III - empregado de empresa coligada ou controlada da pessoa jurídica representada; e

IV - funcionário ou servidor especificamente designado, nos casos de órgão da administração pública direta, autarquia e fundação pública, órgão público autônomo, organismo internacional e outras instituições extraterritoriais.

§ 1º O credenciamento e o descredenciamento de representantes da pessoa jurídica para a prática das atividades relacionadas com o despacho aduaneiro no Siscomex serão efetuados diretamente nesse sistema pelo respectivo responsável habilitado, no módulo "Cadastro de Representante Legal" do Siscomex Web, acessível no sítio da RFB na Internet, no endereço <http://www.receita.fazenda.gov.br>=> Aduana e Comércio Exterior => Siscomex => Acesso aos Sistemas Web).

§ 2º O credenciamento e o descredenciamento de representante de pessoa física poderá ser efetuado na forma do § 1º ou mediante solicitação à unidade da RFB de despacho aduaneiro.

§ 3º O credenciamento de que trata o § 2º poderá ser requerido mediante a indicação do despachante aduaneiro, na forma no Anexo Único a esta Instrução Normativa, acompanhado do respectivo instrumento de outorga de poderes, quando for o caso.

§ 4º A pessoa física com a inscrição no Cadastro de Pessoa Física (CPF) enquadrada em situação cadastral diferente de regular, não poderá ser credenciada para exercer atividades relacionadas com o despacho aduaneiro.

§ 5º A pessoa física credenciada, como representante, na forma deste artigo poderá atuar em qualquer unidade da RFB em nome da pessoa física ou jurídica que represente.

§ 6º O responsável legal da pessoa física ou jurídica, habilitado nos termos desta Instrução Normativa, deve se assegurar, nos termos do art. 810 do Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de 2009 - Regulamento Aduaneiro, da regularidade do registro das pessoas credenciadas para atuar como despachante aduaneiro.

Art. 12. O representante credenciado a operar o Siscomex fica sujeito à comprovação de sua condição à fiscalização aduaneira, quando exigido, relativamente ao disposto nos incisos I a IV do caput do art. 11.

§ 1º Na hipótese de o representante não dispor de poderes previstos no contrato social ou estatuto, deverá manter o respectivo instrumento de outorga para ser apresentado à fiscalização aduaneira, quando exigido.

§ 2º No caso de o representante ser dirigente ou empregado da pessoa jurídica ou de empresa coligada ou controlada, deverá manter, além do instrumento de mandato referido no § 1º, cópia autenticada ou original do documento que comprove o exercício da função ou o vínculo empregatício, para apresentação à fiscalização aduaneira, quando solicitada.

Art. 13. A identificação do responsável pela pessoa jurídica, para fins de acesso ao módulo referido no § 1º do art. 11, será efetuada por meio de certificado digital emitido por autoridade certificadora, em conformidade com o disposto na Instrução Normativa RFB nº 1.077, de 29 de outubro de 2010.

§ 1º Quando o responsável habilitado pela pessoa jurídica estiver impossibilitado de providenciar o certificado digital referido no caput, ou na hipótese a que se refere o item 5 da alínea "a" do inciso I do art. 2º, o chefe da unidade da RFB poderá autorizar o credenciamento, de ofício, de representante da pessoa jurídica para a prática de atividades vinculadas ao despacho aduaneiro.

§ 2º Salvo a hipótese a que se refere o item 5 da alínea "a" do inciso I do art. 2º, para fins da autorização referida no § 1º deverá ser comprovada a existência concomitante de:

I - carga para importação ou exportação pendente de realização de despacho;

II - instrumento de outorga de poderes para o representante; e

III - motivo de força maior que justifique a impossibilidade de o responsável habilitado obter seu certificado digital.

CAPÍTULO VII
DA REVISÃO E DA SUSPENSÃO DA HABILITAÇÃO E DO CREDENCIAMENTO

Art. 14. A habilitação do responsável por pessoa jurídica e o credenciamento de seus representantes serão deferidos a título precário, ficando sujeitos à revisão a qualquer tempo, especialmente quando:

I - a pessoa jurídica estiver com a inscrição no CNPJ enquadrada em situação cadastral diferente de "ativa";

II - a pessoa jurídica detiver participação societária em pessoa jurídica cuja inscrição no CNPJ esteja enquadrada como inapta;

III - a pessoa jurídica tiver deixado de apresentar à RFB, qualquer das seguintes declarações:

a) Declaração de Informações Econômico-fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ);

B) Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF); e

c) Demonstrativo de Apuração de Contribuições Sociais (Dacon);

IV - a pessoa jurídica estiver com seus dados cadastrais no CNPJ desatualizados, relativamente às informações constantes do requerimento de habilitação;

V - a pessoa jurídica estiver com a inscrição do estabelecimento matriz, no Sistema Integrado de Informações sobre Operações Interestaduais com Mercadorias e Serviços (Sintegra), se obrigatória, enquadrada em situação diferente de "habilitada" ou equivalente;

VI - a pessoa jurídica possuir sócio numa das seguintes situações:

a) pessoa física, com a inscrição no CPF enquadrada em situação cadastral cancelada ou nula;

B) pessoa jurídica com inscrição no CNPJ inexistente ou com situação cadastral nula, baixada ou inapta; e

c) estrangeiro sem inscrição no CNPJ ou no CPF, em desobediência ao previsto no inciso XV do caput art. 5º da Instrução Normativa RFB nº 1.183, de 2011, e na alínea "e" do inciso XII do art. 3º da Instrução Normativa RFB nº 1.042, de 10 de junho de 2010, respectivamente;

VII - a pessoa jurídica indicar como responsável no Siscomex ou como encarregada por conduzir as transações internacionais, pessoa com a inscrição no CPF enquadrada em situação cadastral diferente de "regular";

VIII - o responsável pela pessoa jurídica habilitada deixar de atender à qualificação prevista no Anexo XI à Instrução Normativa RFB nº 1.183, de 2011;

IX - a habilitação inicial tiver sido efetuada de ofício, conforme previsto no § 4º do art. 17;

X - houver fundada suspeita de prestação de declaração falsa ou de apresentação de documento falso ou inidôneo para a habilitação;

XI - a pessoa jurídica apresentar atividade econômica de porte incompatível com a submodalidade ou a estimativa de sua habilitação;

XII - o responsável por pessoa jurídica tiver sido penalizado com sanção prevista no inciso III do art. 76 da Lei nº 10.833, de 29 de dezembro de 2003;

XIII - houver indícios de inexistência de fato, caracterizada quando a pessoa jurídica:

a) não dispuzer de patrimônio ou capacidade operacional necessários à realização de seu objeto, inclusive se não comprovar a origem, disponibilidade e transferência dos recursos do capital social integralizado;

B) não estiver localizada no endereço constante do CNPJ, bem como quando não forem localizados os integrantes do seu Quadro de Sócios e Administradores (QSA), seu representante no CNPJ e seu preposto; ou

c) se encontrar com as atividades paralisadas, salvo se enquadrada nas hipóteses dos incisos I, II e VI do caput do art. 36 da Instrução Normativa RFB nº 1.183, de 2011; ou

XIV - houver indício de que a pessoa jurídica tenha praticado vício em ato cadastral perante o CNPJ, na forma do inciso II do art. 33 da Instrução Normativa RFB nº 1.183, de 2011.

§ 1º A revisão de que trata o caput será iniciada pela unidade da RFB com jurisdição aduaneira do estabelecimento matriz da empresa, mediante intimação do importador, exportador, adquirente ou encomendante, para, conforme os motivos que ensejaram o procedimento de revisão, regularizar as pendências apontadas ou apresentar documentos ou esclarecimentos, nos termos do art. 18 desta Instrução Normativa.

§ 2º Na hipótese do inciso XII do caput, o procedimento de revisão da habilitação do responsável por pessoa jurídica será efetuada por meio de processo administrativo instaurado nos termos do art. 76 da Lei nº 10.833, de 2003.

§ 3º Concluído o processo administrativo de que trata o § 2º com a aplicação da sanção prevista no inciso III do art. 76 da Lei nº 10.833, de 2003, é facultado a habilitação de novo responsável legal perante o Siscomex.

§ 4º Será exigida por ocasião da revisão de habilitação prevista no caput, comprovante de adesão ao DTE em atendimento ao estabelecido no § 1º do art. 3º.

Art. 15. Durante o procedimento de revisão previsto no art. 14 poderá ser revista a submodalidade da habilitação da pessoa jurídica quando constatada redução da sua capacidade financeira que enseje mudança de limite para operações de comércio exterior com cobertura cambial.

Art. 16. Será suspensa a habilitação do responsável pela pessoa jurídica que:

I - for intimada no curso de revisão de habilitação de que trata o art. 14, e:

a) não atender à intimação dentro do prazo; ou

B) deixar de regularizar as pendências ou de apresentar os documentos ou esclarecimentos objeto da intimação; ou

II - não substituir o seu responsável que tenha sido sancionado com a penalidade prevista no inciso III do art. 76 da Lei nº 10.833, de 2003.

§ 1º Na hipótese a que se refere o caput, a ficha de habilitação no Sistema de Rastreamento da Atuação dos Intervenientes Aduaneiros (Radar) será suspensa pela unidade da RFB que concluiu o procedimento de revisão:

I - depois da ciência do fato ao contribuinte ou a seu representante, na hipótese do inciso I do caput; ou

II - 5 (cinco) dias depois da ciência do interessado da decisão administrativa no Processo Administrativo Fiscal que constatou a hipótese prevista do inciso II do caput.

§ 2º A suspensão da habilitação implicará no cancelamento, no Siscomex, do credenciamento dos representantes para atuar no despacho aduaneiro e, se for o caso, da vinculação no cadastro de importadores por conta e ordem.

§ 3º A habilitação suspensa poderá ser reativada, mediante:

I - o atendimento da intimação na hipótese do inciso I do caput; ou

II - a apresentação de novo requerimento de habilitação, na hipótese do inciso II do caput.

§ 4º Comprovada a hipótese prevista no inciso XII do art. 14, a pessoa física fica impedida de ser habilitada como responsável por qualquer pessoa jurídica, nos termos desta Instrução Normativa pelo prazo previsto no inciso II do art. 76 da Lei nº 10.833, de 2003.

§ 5º Na hipótese prevista no § 3º do art. 14, a unidade da RFB que concluir o procedimento de revisão suspenderá as demais habilitações da pessoa física em questão, independentemente da jurisdição aduaneira das pessoas jurídicas envolvidas.

CAPÍTULO VIII
DOS PRAZOS E DAS INTIMAÇÕES

Art. 17. A unidade da RFB de jurisdição aduaneira do requerente deverá executar os procedimentos relativos à análise do requerimento de habilitação ou de revisão no prazo de até 10 (dez) dias contados de sua protocolização.

§ 1º No caso de habilitação na submodalidade expressa, o prazo a que se refere o caput será de 2 (dois) dias úteis, contados da data de protocolização do requerimento, devidamente instruído.

§ 2º O prazo referido no caput será interrompido na hipótese de intimação, nos termos do art. 18.

§ 3º A habilitação será concedida de ofício, pelo chefe da unidade da RFB a que se refere o caput, caso os procedimentos de análise do requerimento não sejam concluídos no prazo fixado, independentemente de manifestação do interessado.

§ 4º A competência de que trata o § 3º poderá ser delegada.

Art. 18. As intimações efetuadas no curso da análise do pedido de habilitação ou em procedimento de revisão serão formalizadas por escrito e dirigidas ao domicílio tributário eletrônico (DTE) do requerente, quando aplicável.

Parágrafo único. As intimações previstas no caput terão prazo de 10 (dez) dias para seu atendimento.

CAPÍTULO IX
Da RECONSIDERAÇÃO

Art. 19. Do indeferimento da solicitação de habilitação prevista nesta Instrução Normativa, caberá pedido de reconsideração, sem efeito suspensivo, no prazo de 30 (trinta) dias, contados da ciência do indeferimento.

§ 1º O pedido de reconsideração deverá ser apresentado na unidade da RFB de jurisdição aduaneira do peticionário, instruído com os documentos que justificam a reconsideração do indeferimento.

§ 2º O pedido de reconsideração deverá ser decidido no prazo de 10 (dez) dias contados de sua protocolização.

CAPÍTULO X
DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS

Art. 20. A habilitação de pessoa física para prática de atos no Siscomex ou de responsável pela pessoa jurídica no Siscomex é válida por 18 (dezoito) meses.

Parágrafo único. O prazo estabelecido no caput terá como termo inicial a data de deferimento da habilitação ou a data da última operação de comércio exterior realizada no Siscomex.

Art. 21. O indeferimento de pleito decorrente da análise de habilitação ou de revisão prevista nesta Instrução Normativa não impede a apresentação de novo pedido.

Art. 22. A distribuição de processos de habilitação para análise por unidade diversa da originariamente competente poderá ser feita pelo Superintendente Regional da Receita Federal do Brasil, avaliando conveniência e oportunidade, para qualquer unidade da respectiva região fiscal.

Art. 23. Caso o interessado apresente requerimento de habilitação em mais de uma unidade da RFB, os requerimentos serão ordenados na unidade da RFB de jurisdição aduaneira do estabelecimento matriz, por data de apresentação, devendo ser analisado o 1º (primeiro), e indeferidos, sumariamente, os demais requerimentos.

Art. 24. A habilitação de pessoa jurídica importadora para operação por conta e ordem de terceiros, de que trata a Instrução Normativa SRF nº 225, de 18 de outubro de 2002, está condicionada à prévia habilitação da pessoa física responsável pela pessoa jurídica adquirente das mercadorias, nos termos desta Instrução Normativa.

Parágrafo único. À operação realizada por importador por encomenda, de que trata a Instrução Normativa SRF nº 634, de 24 de março de 2006, aplica-se o disposto no caput, relativamente ao encomendante.

Art. 25. A habilitação de pessoa física responsável por consórcio de empresas, de que trata o art. 278 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976, está condicionada à habilitação da pessoa física responsável pela pessoa jurídica líder, conforme o disposto na Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011.

Art. 26. A habilitação para realizar internações na ZFM exige o cumprimento, também, do disposto no art. 10 da Instrução Normativa SRF nº 242, de 6 de novembro de 2002.

Art. 27. A Coana poderá:

I - alterar o modelo de requerimento de habilitação ; e

II - editar normas complementares para aplicação desta Instrução Normativa.

Art. 28. Os requerimentos de habilitação protocolizados e não deferidos até a data de publicação desta Instrução Normativa serão analisados segundo as novas regras, independentemente de manifestação da interessada.

Art. 29. A habilitação de pessoa física ou de responsável por pessoa jurídica no Siscomex não confere atestado de regularidade perante a RFB nem homologa as informações prestadas no requerimento.

Art. 30. Os intervenientes habilitados nas modalidades previstas nos itens 4 e 5 da alínea "b", e na alínea "d" do inciso II do caput do art. 2º da Instrução Normativa SRF nº 650, de 12 de maio de 2006, serão automaticamente habilitados nas modalidades e submodalidades previstas nesta Instrução Normativa.

Art. 31. Esta Instrução Normativa entra em vigor 30 (trinta) dias depois de sua publicação.

Art. 32. Fica revogada a Instrução Normativa SRF nº 650, de 12 de maio de 2006.

 

 

CARLOS ALBERTO FREITAS BARRETO

Anexo

Share this post


Link to post
Share on other sites

Este é um assunto que ainda me intriga (e muito). Longe de mim de querer esgotar o tema, até porque a legislação é carente e precisa de muitas atualizações, mas eu ainda advogo a ideia de que o MEI é incompatível com vários pontos de uma importação comercial, a começar pelo limite estipulado que o empreendedor individual possui, e também pelo fato de inexistir inscrição estadual. Pelo que sei, apenas quatro estados fornecem IE para o MEI. Complementar a isto, não está claro para mim que o MEI é contribuinte do IPI.

 

O ponto focal deste debate é saber se o MEI tem ou não direito a ser importador. Ser um Micro Empreendedor Individual o torna uma Pessoa Física importadora de Direito e de Fato? Questões tão cruciais para uma importadora, como Sped, Sintegra, Controle do Livro de IPI, poderão ser gerenciadas pelo MEI?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Já que ninguém respondeu, eu respondo.

 

Só precisei dos seguintes documentos:

 

  • Certificado de MEI
  • Declaração simplificada
  • Copia do RG e CPF ( Não precisa autenticar)
  • E-Cnpj.

Só isso, o radar já foi deferido. Não precisei pagar 1.500 reais para ninguém.

 

Boa tarde Allyson,

 

Estou em Campinas SP e estou trabalhando para conseguir o RADAR para a minha MEI mas antes queria saber se seu Radar foi deferido com endereço residencial ou comercial.

Edited by LUCCAS CAMPOS

Share this post


Link to post
Share on other sites

Abri uma empresa MEI recentemente. Como faço para providenciar a Habilitação no Siscomex ?

 

Alguém poderia dar uma lista dos documentos necessários ?

 

Tem alguém de Fortaleza que posso me ajudar?

 

Obrigado!

Boa tarde Allyson,

Estou em Campinas SP e estou trabalhando para conseguir o RADAR para a minha MEI mas antes queria saber se seu Radar foi deferido com endereço residencial ou comercial.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pessoal, sejam informados que há uma nova legislação que trata o assunto do Radar. Um dos principais pontos é que a Receita Federal abriu uma nova modalidade de importação de até US$ 50 mil no período de 6 meses.

 

INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1603, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2015

 

Art. 2º A habilitação de que trata o art. 1º poderá ser requerida pelo interessado para uma das seguintes modalidades:

I - pessoa jurídica, nas seguintes submodalidades:

a) expressa, no caso de:

5. pessoa jurídica que pretenda realizar operações de exportação, sem limite de valores, e de importação, cujo somatório dos valores, em cada período consecutivo de 6 (seis) meses, seja inferior ou igual a US$ 50.000,00 (cinquenta mil dólares dos Estados Unidos da América);

Provavelmente nessa faixa estarão as empresas MEI já que:

 

§ 2º O empresário individual a que se refere o art. 966 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (Código Civil), e o microempreendedor individual (MEI) a que se refere o art. 18-A da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, serão habilitados como pessoa jurídica.

 

Atenciosamente,

 

Mário Lopes

IBSolutions - Gestão e Consultoria de Importação e Exportação

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Mario ibsolutions*

 

queria saber como posso fazer ou continuou do jeito q Faso .!

por que eu já importo e pago os 60% e sou jurídico e tenho o MEI(CNPJ). Desse jeito posso contínua ou vou ter que mim habilitá no radar , mais assim por mês as minha importações ela nunca passa de 100 dólar há 400 dólar.

Com esses valor que compro eu teria a obrigação de mim habilitá? Ou eu poderia ficar desse jeito que importo

Share this post


Link to post
Share on other sites

Vinícius, note que a importação com pagamento de 60% é regulamentada pelo Regime de Tributação Simplificada (RTS). Nesse tipo de importação, a legislação não prevê a hipótese de revenda das mercadorias. A exceção está no Importa Fácil dos Correios. Sendo assim, a importação formal através de Radar é totalmente diferente do RTS, inclusive em termos de alíquotas de impostos e custos logísticos.

 

Normalmente em um primeiro momento a formalização das importações (através do Radar) traz um aumento do custo, porém você precisa olhar para o seu negócio pensando em resultados a médio e longo prazos.

Atenciosamente,

 

Mário Lopes

IBSolutions - Gestão e Consultoria de Importação e Exportação

Share this post


Link to post
Share on other sites

Vinícius, você vai precisar de planejamento e de visão a médio e longo prazo.

 

A formalização da importação em um primeiro momento traz aumento de custo, mas o que você precisa visualizar é o custo que trará o lote econômico de importação, ou seja, a quantidade ideal embarcada que trará o melhor custo x benefício (sem deixar de levar em conta o investimento demandado).

 

Com o provável custo mais competitivo com a importação formal, a lógica é que aumente suas vendas e assim você passa a ter uma barganha maior para a negociação das próximas importações. É um ciclo e a visão estratégica a médio e longo prazo fará toda a diferença.

 

Atenciosamente,

 

Mário Lopes

IBSolutions - Gestão e Consultoria de Importação e Exportação

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sou MEI e estou no Rio de Janeiro (capital). Gostaria de contratar um despachante aduaneiro para este serviço.

 

Já tenho licença municipal, comprovante no nome da empresa (telefone fixo) e acesso ao ECAC. Tudo funcionando.

 

Alguma indicação ou oferta para este serviço ?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Marcelo, você mesmo pode dar a entrada na documentação. Acesse a legislação abaixo no site da Receita Federal e se informe sobre os pontos importantes.

 

http://normas.receita.fazenda.gov.br/sijut2consulta/link.action?idAto=70354&visao=anotado

 

De forma resumida, os documentos que normalmente são apresentados no pedido de Radar são:

 

* Ficha de cadastramento inicial com firma reconhecida de acordo com o Anexo da INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1603, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2015;

* Ficha controle de acesso aos sistemas informatizados da RFB - Anexo II – Portaria RFB 432/2013;

* CPF e RG do responsável legal da empresa;

* Certidão Simplificada da Junta Comercial – Ficha cadastral simplificada;

* Certidão Cadastral da Junta Comercial emitida no máximo em 90 dias – Ficha cadastral completa;

* Contrato social e últimas alterações - últimos dois anos.

 

Muitas Receitas ainda aceitam o processo físico protocolado pessoalmente. Outras pedem que o processo seja feito via eletrônica. Em consulta à Receita de sua cidade, você pode levantar informações sobre esse procedimento.

 

Caso haja alguma pendência, a Receita enviará uma comunicação para que a cumpra em prazo determinado pela legislação.

 

 

Atenciosamente,

 

Mário Lopes

 

IBSolutions - Gestão e Consultoria de Importação e Exportação

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Já que ninguém respondeu, eu respondo.

 

Só precisei dos seguintes documentos:

 

  • Certificado de MEI
  • Declaração simplificada
  • Copia do RG e CPF ( Não precisa autenticar)
  • E-Cnpj.

Só isso, o radar já foi deferido. Não precisei pagar 1.500 reais para ninguém.

Tu fizeste diretamente na receita?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Claudia, tudo é direto na Receita via sistema ou papel, já que algumas unidades ainda estão tendo dificuldade em trabalhar com o novo sistema de envio de documentos. Conte com a ajuda de seu contador que já provavelmente tem familiaridade com os sistemas da Receita.

 

Atenciosamente,

 

Mário Lopes

 

IBSolutions - Gestão e Consultoria de Importação e Exportação

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Hallyson, obrigado pela informação, fiquei indignado, liguei para um escritório de importação somente para pedir dicas para tirar o radar sozinho e eles falaram que a consultoria era 100 reais e para eles fazerem todo o processo era 800 reais.

 

Decidi que irei fazer sozinho, registrei minha MEI hoje e pelo que já li de vários blogs, fóruns e sites, é SUPER SIMPLES e fácil de tirar.

 

dentro da documentação que você listou ficou faltando somente citar o formulário de Requerimento de Habilitação (que a pessoa pode baixar nesse endereço: http://idg.receita.fazenda.gov.br/orientacao/aduaneira/manuais/habilitacao/Pessoa-Juridica/requerimentodehabilitao_v4-1.pdf) e aqui é um link com um guia para o preenchimento desse formulário, que apesar de simples também, pode confundir muita gente, segue o guia

 

http://idg.receita.fazenda.gov.br/orientacao/aduaneira/manuais/habilitacao/Pessoa-Juridica/Instrucoes-para-Preenchimento

 

quanto a declaração simplificada da empresa que você citou, como registrei a empresa hoje, não precisarei de nenhuma declaração, porque só a terei próximo ano, correto?

 

Vou atualizando esse tópico com informações a respeito da minha odisséia na habilitação siscomex para fins de ajudar outras pessoas que queiram fazer o mesmo.

 

Outra coisa que fiz hoje foi comprar aquele pen drive da safenet que armazena certificados como o E-CPF e o E-CNPJ, comprei desse vendedor no Mercado Livre http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-705082505-token-a3-usb-safenet-ikey-2032-para-certificado-digital-_JMsó não curti o prazo de entrega, vou ter que esperar 15 dias esse pen drive chegar para tirar o e-cnpj da empresa.

 

logo em seguida, irei até a receita dar entrada.

 

 

Sim, só para informar, minha MEI é de comércio eletrônico, vendo no ML, não tem sede própria, funciona em endereço residencial, mais precisamente no meu quarto, logo não irei levar nenhum comprovante de endereço no nome da empresa como eu vi em outros tópicos falando sobre, pois na legislação da RFB não tem essa exigência para quem é MEI.

Edited by Raffaelbast

Share this post


Link to post
Share on other sites

É um absurdo mesmo, como pode um escritório de comércio exterior que é uma instituição privada, vive disso, paga impostos, treina funcionários, querer cobrar?

 

 

Rsrsrs :blink::D

 

 

Essa semana mesmo vimos um caso aqui no fórum de um Radar MEI em endereço residencial ser indeferido, sendo penalizado em 6 meses de "banco"... o pessoal acha que é brincadeira... :huh:

 

Essa semana mesmo vimos um caso aqui no fórum de um Radar MEI em endereço residencial ser indeferido, agora

Share this post


Link to post
Share on other sites

É um absurdo mesmo, como pode um escritório de comércio exterior que é uma instituição privada, vive disso, paga impostos, treina funcionários, querer cobrar?

 

 

Rsrsrs :blink::D

 

 

Essa semana mesmo vimos um caso aqui no fórum de um Radar MEI em endereço residencial ser indeferido, sendo penalizado em 6 meses de "banco"... o pessoal acha que é brincadeira... :huh:

 

Essa semana mesmo vimos um caso aqui no fórum de um Radar MEI em endereço residencial ser indeferido, agora

 

Maicon , Boa Tarde, a minha questão não foi nem por ela cobrar o serviço de "tirar" o radar pela empresa e cobrar por isso, embora não seja uma atividade fim de uma empresa de comércio exterior, tem muita gente que prefere terceirizar isso, é a famosa cultura de pagar por seviços burocráticos que é muito enraizada do país, diferente de muitos países lá fora, o brasileiro gosta geralmente de tudo pronto e as vezes prefere pagar por isso (ou não heheh), então, não condeno ela por cobrar em fazer o serviço, ela irá ter dispêndios de tempo e recursos e é normal sim que ela cobre, agora o que eu acho um absurso sim é cobrar por uma INFORMAÇÃO DADA...é como se eu cobrasse por informar a um desinformado qual rua ele deve pegar para chegar ao seu destino mais rápido, isso é mesquinhez das brabas.

 

Quanto aos seus exemplos, coincidentemente, somente os casos negativos, uma possível tentativa de amedrontar quem tenta sozinho, onde talvez seja até contra as políticas de um fórum como esse, que é a INFORMAÇÃO e COMPARTILHAMENTO das mesmas, eu ainda prefiro ficar com os casos de sucesso, em que MEI sem endereço comercial, tirou sim o RADAR.

 

agradeço pela sua "ajuda"...

Edited by Raffaelbast
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ola Raffael, todos estamos aqui com um único propósito, se ajudar mutuamente.

 

Eu tenho mais de 450 posts meus aqui no fórum onde sempre busco ajudar, fazendo os alertas pertinentes em cada caso, não afim de colocar medo em ninguém, mas com o intuído de ajuda, como poderá notar em qualquer um destes posts e de meus amigos também que aqui colaboram.

 

O que eu não aceito é que em alguns tópicos recentes tem aparecido comentários que acabam por denegrir a imagem de uma classe de prestadores de serviços, como no caso dos despachante aduaneiro, taxando-nos como se fossem meros "pedágios burocráticos".

 

Que conhece e atua no ramo sabe o quão superficial é essa colocação.

 

Notar ainda que uma "Informação" "dada" com responsabilidade se baseia em muito estudo, qualificação e experiência, do contrário temos o Google...

 

Temos sim casos de sucessos e insucessos quanto a Habilitação de MEI´s, como você poderá notar no histórico do forúm, sempre foi um dos assuntos mais debatidos por aqui, agora se quem sempre ajuda começar a ler posts com frases como "uma possível tentativa de amedrontar quem tenta sozinho, onde talvez seja até contra as políticas de um fórum como esse" isso desencoraja qualquer um em ajudar... :D

 

Abcs e sucesso!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Olá, fizemos um artigo recente sobre qual regime tributário é melhor para sua importação. você pode ler ele aqui: http://machadocontabilidade.com.br/assessoria-financeira/qual-regime-tributario-e-melhor-para-minha-importacao/

 

Você também pode se interessar por saber em qual estado você pode ter maior redução de custos na hora de importar e para essa dúvida tenho um artigo especifico sobre isso aqui: http://machadocontabilidade.com.br/assessoria-financeira/conheca-os-beneficios-fiscais-concedidos-pelo-estado-de-sc-para-sua-importacao/

 

Abraço,

Share this post


Link to post
Share on other sites
Em 27/08/2015 at 15:09, hdtuf disse:

Já que ninguém respondeu, eu respondo.

 

Só precisei dos seguintes documentos:

 

  • Certificado de MEI
  • Declaração simplificada
  • Copia do RG e CPF ( Não precisa autenticar)
  • E-Cnpj.

Só isso, o radar já foi deferido. Não precisei pagar 1.500 reais para ninguém.

Foi difícil você tirar o RADAR ?

Os tópicos do fórum estão desatualizados, e estou tentando tirar o RADAR aqui em Brasília, por isso a pergunta.

Agradeço a ajuda e boa sorte com o tópico.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

×